Berlusconi, à beira de uma derrota, pede aos italianos que votem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de abril de 2006 as 11:09, por: cdb

Políticos italianos realizaram, nesta sexta-feira, as atividades do último dia de campanha para a eleição geral que acontecerá no domingo e segunda-feira, com o primeiro-ministro Silvio Berlusconi lutando para evitar uma derrota. Berlusconi, que nos últimos dias parecia irritado e na defensiva, começou o dia com duas entrevistas a rádios, nas quais pediu para os italianos votarem, porque um baixo comparecimento às urnas poderia favorecer a oposição.

– Meu primeiro apelo é: vá às urnas. Se muitas pessoas ficarem em casa, pode haver a possibilidade — eu acho que não, mas poderia haver — de uma vitória da esquerda – afirmou, no segundo dia consecutivo em que falou sobre uma possível derrota.

Ele também voltou a atacar o Judiciário. Segundo o premiê, haveria um complô com a centro-esquerda para acabar com suas chances eleitorais.

– Estou horrorizado com o fato de haver funcionários do Estado que, com o dinheiro dos cidadãos italianos, estão tramando contra o primeiro-ministro, contra o governo e a imagem da Itália – disse ele em outra entrevista.

Berlusconi vai encerrar sua campanha na cidade de Nápoles, no sul da Itália, onde participa do primeiro comício em conjunto com seus principais aliados, o líder da Aliança Nacional, Gianfranco Fini, e Pier Ferdinando Casini, da União dos Democratas Cristãos. O adversário Romano Prodi termina a campanha com um comício na Piazza del Popolo, em Roma, uma das praças mais conhecidas da cidade. A centro-esquerda aparecia com uma liderança de entre 3,5 e 5,0 pontos percentuais quando uma suspensão de pesquisas começou, duas semanas atrás.

As urnas abrem neste domingo às 8h (3h, horário de Brasília).

Estagnação

Comentaristas dizem que uma série de acusações feitas por Berlusconi, incluindo a afirmação de que seriam necessários observadores da Organização das Nações Unidas (ONU) para evitar uma fraude da esquerda, polarizou os eleitores.

– Para o bem ou para o mal, Silvio Berlusconi conseguiu transformar as eleições em um referendo sobre si próprio – observou um editorial do Corriere della Sera, o jornal mais vendido da Itália.

Líderes da oposição parecem cada vez mais confiantes da vitória e acusam o primeiro-ministro de ter perdido a calma diante de uma provável derrota.

– Com a caneta e a cédula eleitoral, as armas da democracia, vamos vencer – afirmou Prodi em comício na noite desta quinta-feira.

As bancas de jornal não ajudaram a melhorar o humor de Berlusconi nesta sexta-feira. A maioria das revistas reproduziu a capa da britânica The Economist, advertindo os italianos a tirarem o primeiro-ministro do cargo, sob o título “Basta”. O governo de Berlusconi aprovou diversas reformas nos últimos cinco anos, mas não conseguiu reativar a economia estagnada, e muitos italianos sentem-se pior agora do que em 2001.

Muitos analistas estão céticos em relação ao futuro próximo.

– Os problemas da Itália parecem tão profundamente enraizados que o próximo governo, qualquer que seja sua formação, provavelmente fará pouco além de começar a resolvê-los – disse um documento do Barclays Capital, de Londres.