Beltrame quer aproximar a polícia da população

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de março de 2011 as 10:52, por: cdb
Boa parte do efetivo da PM do Rio trabalha nos quartéis em funções administrativas

Inspirada num modelo norte-americano, a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro quer reduzir o tamanho do quartéis da Polícia Militar e substituir as atuais instalações por prédios menores, liberando policiais para atuar nas ruas, de acordo com o secretário José Mariano Beltrame.

Segundo Beltrame, a intenção é vender parte dos terrenos ociosos dos batalhões da PM para interessados da iniciativa privada. As negociações para a venda de terrenos inclusive já começaram, de acordo com o secretário.

Beltrame afirmou que podem ser vendidas áreas de dois batalhões no centro da capital e mais dois nos bairros de Botafogo e Tijuca.

– Não há necessidade de termos piscinas ou campos de futebol em alguns batalhões. Precisamos avançar, trazer a PM para o século XXI. Vamos estudar a possibilidade de mudar as estruturas, mudar a arquitetura –, disse o secretário.

Beltrame ressaltou que as futuras unidades podem ser construídas em forma de prédios, conforme é feito nos Estados Unidos.

– As polícias de Los Angeles e Nova York funcionam assim. É um plano de otimizar, vamos estudar a viabilidade de começar pelo quartel central da PM –, afirmou ele.

A medida vai reduzir o efetivo de policiais aquartelados e, consequentemente, aumentar o contingente de PMs nas ruas, segundo o secretário.

– É uma chance também de aproximar ainda mais a polícia da população –, afirmou.

O Estado do Rio tem cerca de 40 mil policiais, sendo que boa parte trabalha nos quartéis em funções administrativas.

Alguns batalhões ocupam grandes terrenos da capital, baixada fluminense e interior, e ainda se baseiam em modelos de quartéis militares adotados no passado.