BC eleva projeção do repasse do dólar no preço da gasolina, gás e eletricidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de outubro de 2002 as 16:17, por: cdb

A taxa inflação, medida pelo IPCA, ficará acima da meta em 2002 e bem próxima do teto fixado em 2003. A estimativa consta na ata da última reunião do Comitê de Política Monetátia (Copom), divulgada hoje à tarde. De acordo com o comitê, o repasse da depreciação do Real é o grande “vilão” dos preços. “Em outubro, a depreciação cambial deve continuar sendo a principal fonte de pressão sobre os preços”, informa a ata do Copom.

Segundo o Copom, em um cenário conservador se prevê um aumento de 9% no preço da gasolina em 2002 e mais 9% em 2003. Neste cenário, o gás de cozinha subiria 16,6% ainda no último trimestre deste ano. Ambos os produtos são derivados de petróleo e seguem a variação do mercado internacional. Ou seja, o dólar.

Entre os preços administrados pelo governo, o destaque são as tarifas elétricas. O Copom projeta um aumento de 21,2% em 2002 para as tarifas de eletricidade, dos quais 3,8% ainda a ocorrer entre outubro e dezembro. Para 2003, a depreciação cambial elevou de 21% para 25% o repasse nos preços.

O governo trabalha com uma taxa de inflação acima de 5,5% para este ano e de 6% para o próximo. Pela meta fixada pela equipe econômica, 2002 poderia ter uma taxa de 3,5%, com dois pontos percentuais para cima ou para baixo. Já em 2003, o índice projetado estaria em 4%, com 2,5 pontos de banda.

Se confirmada esta projeção, seria o terceiro ano consecutivo que o BC não atinge a meta fixada. “A política monetária está sendo calibrada para neutralizar o efeito da inércia ao longo de dois anos, garantindo, na ausência de outros choques, convergência gradual da inflação à sua meta”, declarou o comitê no documento.