Bastos nega espionagem na campanha de Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de outubro de 2003 as 23:30, por: cdb

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, se dispôs a comparecer ao Congresso, caso seja chamado, para falar sobre as denúncias de espionagem feita durante a campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no ano passado.

“Fiquei estupefado com isso”, afirmou Thomaz Bastos, referindo-se à reportagem publicada pela revista Veja. “Se isso tivesse acontecido, com certeza eu saberia”, garantiu o ministro, descartando a operação que teria sido montada pelo PT contra outros candidatos à Presidência da República.

Segundo o ministro, as denúncias não têm fundamento. “Tenho certeza que a campanha não transgrediu a ética e a ilegalidade”, afirmou Thomaz Bastos, uma das atuais autoridades que participaram da campanha de Lula e que poderia ser convocado numa eventual Comissão parlamentar de Inquérito (CPI) que a oposição ameaça instalar no Congresso. “Vou quantas vezes for necessário.”

Segundo a reportagem, um grupo de petistas, alguns ligados a Lula, reuniu dossiês e depoimentos contra adversários do candidato do partido. Entre os atingidos estariam os candidatos do PSDB, José Serra; do PPS, o atual ministro da Integração Nacional de Lula, Ciro Gomes e seu vice, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.