Barbosa espera que volatilidade cambial se ajuste e descarta possibilidade de abrir mão do regime flutuante

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 14:50, por: cdb

Marli Moreira
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O governo brasileiro está convicto de que o regime de câmbio flutuante ainda é a melhor estratégia adotada na economia brasileira e nem cogita debater o assunto como defendem alguns segmentos do setor empresarial, conforme deixou claro hoje (23) o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. Ele participou nesta sexta-feira do seminário Crescimento com Estabilidade – Novo Desenvolvimentismo no Brasil, promovido pela Escola de Economia da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP).

Ele disse que a equipe econômica está atenta para evitar um desequilíbrio que possa vir a prejudicar o desempenho da economia do país. Mas, embora admita que o real ainda está valorizado diante do dólar, Barbosa pondera que a cotação em R$ 1,80 já contribuiu para diminuir a perda de competitividade da indústria de transformação .

“Nós não temos uma meta para a taxa de câmbio”, afirmou Barbosa, para quem um ajuste mais adequado ao dia a dia das empresas deve ocorrer a partir de uma combinação entre medidas de incentivos à produção e da própria dinâmica do mercado internacional. “A volatilidade é um tema que preocupa o governo, pois influencia as decisões de investimentos e de precificação.”

Barbosa disse que há a expectativa dessa volatilidade diminuir diante da estabilização de preços das commodities e também devido à medida do governo de elevar de três para cinco anos a cobrança de 6% do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nas liquidações de operações de câmbio contratadas a partir do último dia 12, para ingresso de recursos no país (empréstimos externos).

Edição: Lana Cristina