Banzer renuncia e Quiroga assume governo da Bolívia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 6 de agosto de 2001 as 15:28, por: cdb

O presidente da Bolívia, Hugo Banzer, renunciou oficialmente ao cargo, em uma cerimônia realizada na cidade de Sucre, a 570 km de La Paz. Amanhã, o vice-presidente Jorge Quiroga assumirá a presidência do país.

O mandato de Banzer terminaria no ano que vem, mas em função de problemas de saúde – ele está com câncer no fígado e no pulmão esquerdo- preferiu renunciar.

O PERFIL DO TECNOCRATA

Nascido em 5 de maio de 1960, em Cochabamba, Jorge Quiroga Ramírez, que se torna presidente da Bolívia amanhã, será o mais jovem tecnocrata do país a ocupar o cargo. Seu mandato termina no dia 6 de agosto de 2002.

Qualificado como um tecnocrata de luxo pelos integrantes do partido governista Ação Democrática Nacionalista (ADN), Quiroga é um entusiasta do futuro econômico do país, assunto constante nos seus discursos, repletos de números e porcentagens.

Estudou engenharia industrial na Universidade do Texas, nos EUA, e fez mestrado em administração de empresas na Universidade Saint Edwards de Austin, no Estado do Texas.

Em 1990, foi vice-ministro de Investimento Público e Cooperação Internacional do Ministério do Planejamento. Aos 32 anos, foi ministro das Finanças na gestão do presidente Jaime Paz Zamora. Na época, impulsionou a venda das empresas estatais como parte do processo de privatização iniciado no país em 1985.

Seu primeiro teste político foi nas eleições presidenciais de 1993, como chefe da campanha do então candidato Banzer, que ficou em segundo lugar. Em 1997, aliou-se a Banzer e se tornou o vice-presidente mais jovem das últimas décadas na Bolívia.

A figura do jovem economista foi usada para limpar a imagem de Banzer, acusado por torturas e assassinatos que teriam sido cometidos entre 1971 e 1978, quando era presidente.

Como presidente do Parlamento, Quiroga dedicou boa parte da sua gestão a iniciativas para responder a reivindicações sociais derivadas da pobreza, ao que teve respaldo de organismos internacionais de crédito.

Quiroga pertence à corrente renovadora do ADN e é criticado por um suposto distanciamento da estrutura orgânica de seu partido, que se traduz em discrepâncias pela condução do governo com os dirigentes mais antigos da ADN, batizados pela imprensa boliviana como “dinossauros”.
Ele alardeia ser esportista e praticar o montanhismo. É casado com a norte-americana Virginia Gillum desde 1988, com quem tem três filhas e um filho.