Bandidos atacam helicóptero da PM

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de abril de 2004 as 18:49, por: cdb

Um helicóptero do Grupamento Aero-Marítimo (GAM), da Polícia Militar, teve de fazer um pouso de emergência na tarde desta segunda-feira ao ser atacado por traficantes do Morro de São Carlos, no Estácio, Zona Norte.

O helicóptero foi recebido a tiros por traficantes da região. Os dois policiais que estavam na aeronave foram baleados – um deles ficou ferido no peito e o outro atingido por estilhaços na mão e no rosto. O helicóptero fez um pouso de emergência no pátio do Batalhão de Choque, no centro.

Nesta tarde, a polícia faz uma ronda nos morros de São Carlos e do Zinco. De manhã, a polícia cercou a favela e tentou subir o morro, mas foi recebida a tiros pelos traficantes. O comandante geral da PM, Renato Hottz, disse que foi obrigado a esconder-se atrás de um latão de lixo para proteger-se do tiroteio.

Conflito já matou dez

A favela da Rocinha, na zona sul do Rio, vive uma guerra entre grupos rivais do tráfico de drogas desde a sexta-feira santa. Nesta tarde, um traficante ficou ferido numa troca de tiros com a polícia e dois morreram no local, elevando para dez o número de mortos na região ao longo do feriado da Páscoa. Com eles, foram apreendidas armas.

Como medida de emergência, o secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, anunciou hoje que a polícia vai ocupar a favela da Rocinha com 1,6 mil policiais e não mais 990 como havia sido divulgado. De acordo com o secretário, a ocupação vai acontecer “pelo tempo necessário”. Ontem, o governo fluminense chegou a anunciar a construção de um muro de três metros de altura ao redor de parte do morro da Favela da Rocinha.

O governo federal também se manifestou hoje. O Secretário Especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, disse no Rio que, se a governadora Rosinha Matheus pedir ajuda para combater o crime organizado, o governo federal vai colaborar. Entretanto, ele descartou o uso de tropas das Forças Armadas. Para ele, o principal ponto a ser atacado é o fim da corrupção policial no Estado.