Balanço nos quadris é o que mais chama a atenção do homem, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de março de 2007 as 16:13, por: cdb

Um andar envolvente, ou melhor, um bom rebolado é o que mais chama a atenção dos homens. O que poderia ser uma simples constatação é alvo de cientistas da Universidade de Nova York. Os estudiosos afirmaram ter descoberto que a forma de andar é o que atrai os homens a uma mulher. Há muito tempo acredita-se que o corpo no formato de violão seja o ideal para uma mulher que quer atrair olhares, mas para isso realmente acontecer, ela tem que se mover de um jeito feminino, balançando os quadris.

O artigo publicado na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences também reconheceu o andar de homens mais atraente para as mulheres: balançando os ombros.
A proporção entre cintura e quadris há muito é tida como determinante na percepção ocidental de atração. Cintura pequena e quadris amplos fazem a combinação considerada ideal.

A atriz Marilyn Monroe e agora as cantoras Beyoncé e Jennifer Lopez são exemplos famosos de mulheres com este formato de corpo.

Sua popularidade pode se dever a imagens nos meios de comunicação ou ao fato de mulheres ocidentais não precisarem ter corpos fortes e musculosos para realizar trabalhos manuais, diferentemente de mulheres de países em desenvolvimento.

Mas a pesquisa dos Estados Unidos indica que elas nunca conseguiriam o status de símbolo sexual se não caminhassem da forma certa.

A equipe realizou uma série de estudos envolvendo mais de 700 participantes que observaram vários vídeos e desenhos animados de pessoas caminhando. Em alguns deles não era possível identificar se se tratava de um homem ou de uma mulher.

Independentemente do formato usado, os participantes consideraram mulheres ou “figuras femininas” mais atraentes quando os seus quadris se balançavam ao caminhar – o popular rebolado -, enquanto os homens eram tidos como mais atraentes, quando moviam os ombros ao caminhar.

A pesquisa também confirmou a tese da proporção cintura/quadris. Mas Kerri Johnson e Louis Tassinary, que coordenaram a pesquisa, dizem que o seu trabalho mostra que a percepção da atratividade de uma pessoa não é só uma diferença entre as medidas.

No artigo, os pesquisadores disseram que “o formato do corpo e o movimento provocam percepções sociais básicas, sexo biológico e gênero, por exemplo, masculinidade e femininidade respectivamente”.

Segundo eles, é “a compatibilidade” destes elementos que indica o grau de atratividade de uma pessoa. A equipe disse que o resultado que obtiveram só se aplica às culturas ocidentais.