Bahia está pronta para receber convidados ao enterro de Jorge Amado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 7 de agosto de 2001 as 11:52, por: cdb

O governador Cesar Borges (PFL-BA) afirmou hoje que o governo da Bahia está preparado para receber “todas as autoridades, inclusive o presidente da República, que queiram participar da despedida” do escritor Jorge Amado, cujo corpo está sendo velado no Palácio da Aclamação, em Salvador. “Ainda não recebemos nenhuma notícia oficial de Brasília, mas estamos prontos para o que for necessário”, disse o governador.

Borges deixou o palácio pouco depois da meia-noite. “Esse grande baiano vai ficar na memória através de seus personagens”, disse o governador. “Tudo o que fizemos ainda é muito pouco para homenagear o maior escritor do Brasil.”

AS DESPEDIDAS

O escritor best seller brasileiro Paulo Coelho e o prêmio Nobel português José Saramago lamentaram, em entrevista por telefone, a morte de Jorge Amado. Coelho, que conheceu Amado após ter entrado para lista dos mais vendidos na França, relembrou a carta que recebeu do escritor baiano dias após o feito. “ele que era o único que poderia ter inveja mandou-me uma carta dando os parabéns”, afirmou. Saramago, por sua vez, ressaltou a generosidade de seu companheiro de profissão. Disse não se surpreender caso o governo brasileiro decrete luto nacional, “um luto que eu penso que deveria ser estendido a todos os países de língua portuguesa”. Leia abaixo os depoimentos na íntegra:

Paulo Coelho – “Foi o escritor que mais e melhor representou o Brasil no mundo inteiro. Um orgulho para todos nós, consequentemente, é um homem que não tem a menor condição de morrer porque vai continuar vivo no coração de muita gente, no mundo inteiro, que vai continuar lendo os livros dele e vendo através deles o Brasil que ele tanto amou e retratou. O Brasil não poderia ter sido traduzido por olhos melhores do que os de Jorge Amado. Eu o conheci. Antes disso, quando meu nome entrou na lista dos mais vendidos da França, ele que era o único que poderia ter inveja, três dias depois mandou-me uma carta dando-me os parabéns. Jorge Amado é um verdadeiro imortal.”

José Saramago – “O que dizer sobre a morte de Jorge Amado? Morre um grande escritor brasileiro, um grande escritor de língua portuguesa, e também um grande escritor universal. Ninguém tem dúvida do significado desta perda para vocês brasileiros, que se estende para nós portugueses e para todos os países da comunidade que fala o português. Uma perda que será sentida em toda parte, pois como é do conhecimento geral, a obra de Jorge Amado foi publicada em inúmeros países do mundo, e se já não o temos entre nós, vamos continuar a tê-la. É natural que o Brasil chore sua perda. Não me surpreenderia se o governo brasileiro determinasse luto nacional, um luto que eu penso que deveria ser estendido a todos os países de língua portuguesa. A morte de Jorge Amado é a morte de um grande escritor e de um grande homem. Uma pessoa de uma grande generosidade, com um cuidado para o trabalho, que assim conheci. Para nós, as pessoas que vivem nesta casa, eu e minha esposa, sentimos ser um grande desgosto a sua morte.”