Bagdá é atingida por série de atentados com carros-bomba

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de janeiro de 2005 as 14:51, por: cdb

Uma série de explosões atingiu a capital do Iraque, Bagdá, nesta quarta-feira.

Pelo menos 13 mortes foram confirmadas por diferentes fontes. E segundo o Exército americano o total de mortes é de pelo menos 26.

A situação permanece confusa, mas pelo menos quatro explosões aconteceram a intervalos de 90 minutos na capital iraquiana durante o horário do rush, de manhã.

Aparentemente, os ataques tinham como alvo forças de segurança locais e estrangeiras.

Segurança

As explosões acontecem um dia depois de o Iraque ter anunciado novas medidas para tentar aumentar a segurança para as eleições nacionais, marcadas para o dia 30 de janeiro.

Há relatos de que uma quinta explosão teria matado uma pessoa perto de uma agência bancária na capital.

Um grupo ligado ao suposto líder da Al-Qaeda no Iraque, Abu Musab Al-Zarqawi, assumiu responsabilidade pelos ataques, de acordo com uma declaração em seu site.

O correspondente da BBC em Bagdá David Willis afirma que este é um dos mais violentos dias na capital nas últimas semanas.

As piores previsões de aumento da violência às vésperas das eleições parecem estar se tornando realidade, segundo o correspondente.

Policiais

A pior explosão parece ter acontecido a leste da cidade.

Relatos afirmam que ela aconteceu perto de um hospital e de uma delegacia de polícia.

Militares americanos afirmam que 18 pessoas, incluindo cinco policiais iraquianos, foram mortas.

Uma policial está entre os mortos, de acordo com a agência de notícias AFP.

A série de ataques começou quando uma explosão atingiu a embaixada da Austrália, por volta das 7h (2h em Brasília).

A polícia informou que um motorista suicida explodiu seu carro contra barreiras de areia em frente ao prédio, de acordo com a agência AFP.

Dois iraquianos foram mortos, e dois soldados australianos ficaram levemente feridos, de acordo com militares da Austrália.

O embaixador australiano, Howard Brown, disse acreditar que a explosão tinha como alvo um edifício usado pela segurança australiana, perto da embaixada.

O correspondente da BBC afirma que tropas americanas isolaram a área imediatamente.

A Austrália, um dos aliados mais próximos dos Estados Unidos, foi um dos primeiros países a se juntar à coalizão que invadiu o Iraque.