Aumenta perigo de malária em regiões afetadas pelo tsunami

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de janeiro de 2005 as 17:19, por: cdb

A província indonésia de Banda Aceh, que foi devastada pela tsunami no mês passado, poderá ser cenário de uma catástrofe sanitária devido aos vastos depósitos de água que servem de morada às larvas do mosquito que propaga a malária, informaram funcionários da área de saúde. De acordo com as fontes, um surto da doença poderia deixar um saldo de 100.000 mortos na região.

A ameaça do cólera e da disenteria na área vem diminuindo diariamente devido à distribuição eficiente de água potável aos sobreviventes das ondas gigantes, mas o perigo da malária e da dengue começa agora a aumentar, informou Richard Allan, diretor da Iniciativa Mentor, um grupo que organiza uma campanha contra a malária na ilha de Sumatra, onde está localizada a província de Aceh, cuja capital é Banca Aceh.

As agências de saúde que tentam prevenir um surto de doenças nas zonas mais afetadas pelo tsunami de 26 de dezembro intensificaram hoje suas atividades contra a malária, diante da possibilidade de que essa enfermidade se propague com rapidez pela região.

“A combinação de tsunami e as chuvas está criando o maior número de local de cultivo (do mosquito) jamais visto na história da Indonésia”, alertou Allan em entrevista telefônica à The Associated Press.

A uma pergunta em relação à advertência feita pela Organização Mundial de saúde OMS) sobre a possibilidade de que as doenças dupliquem o número de mortos pelo tsunami nas zonas efetadas, Allan respondeu: “Acredito que são cálculos conservadores”.

Allan explica que, embora as águas do tsunami estejam represadas por todas as partes, trata-se de água salgada, que não é propícia à reprodução do mosquito do gênero Anopheles, do qual há cerca de 50 espécies, que causa a malária. Mas o início da temporada de chuvas criou milhares de depósitos de água doce, que é ideal para a reprodução do inseto.

Segundo a OMS, até o momento foram registrados sete casos de malária na região. A OMS acrescentou que esta época é justamente o começo da temporada de malária na Indonésia.