Aumenta a potência das bombas lançadas sobre Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de março de 2003 as 09:57, por: cdb

Desde a noite de quinta-feira, quando a capital do Iraque sofreu um dos ataques mais violentos na guerra lançada pelos Estados Unidos há nove dias, as forças de coalizão começaram a usar bombas mais potentes, as chamadas “bunker-buster”, para atingir alvos estratégicos em Bagdá.

Duas destas bombas, de acordo com o Comando Central de guerra, baseado no Catar, caíram sobre um centro de comunicações do governo iraquiano. Os artefatos foram despejados por um bombardeiro Spirit B-2 – um dos aviões da Força Aérea norte-americana considerados “invisíveis” aos radares – e causaram impacto em uma grande área do centro da capital, que rapidamente foi tomada por uma densa coluna de fumaça negra.

Pelo menos uma das bombas foi identificada pelos militares norte-americanos como uma GBU-37, com duas toneladas de peso. O Comando Central informou que o Spirit “visou e bombardeou um importante link da rede nacional de comunicação do Iraque”, situado na margem oriental do rio Tigre.

O ataque deixou o Centro de Comunicações Internacional, que opera o sistema telefônico do Iraque, em chamas. Prédios próximos ao Ministério da Informação também pareceram ter sido atingidos, bem como o palácio presidencial de Al Salam, disseram jornalistas europeus.

As bombas do tipo “bunker-buster” – GBU-28 e GBU-37 – são guiadas a laser e têm uma ogiva projetada para penetrar em instalações fortificadas. Esse tipo de explosivo foi desenvolvido durante a Guerra do Golfo, em 1991, e pode ser lançado por várias modalidades de bombardeiros e caças, como o F-117 Nighthawk, outro dos chamados “aviões invisíveis”.

Os bombardeios que estremeceram Bagdá no final da noite de quinta-feira foram tão fortes que o Pentágono rapidamente tratou de esclarecer que a maior arma convencional dos Estados Unidos – a MOAB, ou “mãe de todas as bombas”, com nove toneladas de peso – não havia sido utilizada no ataque ao centro de informação.

Nesta sexta-feira, norte-americanos e britânicos voltaram a realizar incursões aéreas sobre o Iraque, especialmente no norte do país. De madrugada, os bombardeios visaram Mosul, cidade estratégica localizada nas proximidades de importantes poços de petróleo. Mosul é a maior cidade sob controle iraquiano no norte do país.