Aumenta a concorrência por celulares finos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de novembro de 2005 as 13:32, por: cdb

O grande sucesso do modelo Razr deu à Motorola uma vantagem sobre fabricantes rivais de celulares como a Nokia e a Samsung, mas a distância poderá ser reduzida no ano que vem, quando a Samsung deverá lançar sua linha de modelos ultrafinos. A Samsung Electronics, terceira maior fabricante mundial de celulares, que tem pequena desvantagem sobre a segunda colocada, a Motorola, espera superar sua rival norte-americana no segmento de celulares finos, inaugurado pela Motorla com o lançamento de cinco modelos ultrafinos na Europa, no final do ano.

O ultrafino Razr, um modelo atraente com apenas 1,4 centímetro de espessura e peso inferior a 100 gramas, é um abandono radical da tradição da Motorola, cujos aparelhos eram quadradões e volumosos. Criado por uma equipe de 40 designers e engenheiros mecânicos comandada por Jim Wicks, ex-executivo da Sony, o Razr V3, modelo de topo de linha da Motorola, se tornou símbolo de status e ícone de design quando foi lançado, no final do ano passado.

O Razr e seus sucessores reforçaram a fatia de mercado e os lucros mundiais da empresa de lá para cá.

– O Razr é um excelente aparelho e está entre os líderes mundiais em termos de volume. Tem um fator de atração visual que poucos aparelhos oferecem hoje. Mas a Motorola no momento atravessa um momento de ouro que será difícil, se não impossível, sustentar por mais dois ou três anos, já que designs ultrafinos inspirados pelo Razr tornarão esse modelo menos singular até 2007 – disse Neil Mawston, analista do grupo de pesquisa Strategy Analytics.

A Samsung lançou seu primeiro rival para o Razr,  o modelo dobrável V740, em maio, e um sucessor, o celular de cobertura deslizante V8400, em outubro. Mas os analistas dizem que o V740 não conseguiu se equiparar ao design mais elegante e enxuto do Razr. O Razr superou o V740 por algo entre 120 e 90 mil unidades na Coréia do Sul, onde ambos foram lançados quase simultaneamente em junho, e cujo mercado absorveu cerca de 500 mil novos aparelhos até setembro deste ano. A Coréia do Sul é sede da Samsung e da LG Electronics, duas das cinco maiores fabricantes mundiais de celulares.