Atual lema de FHC é “Exportar ou Morrer”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 23 de agosto de 2001 as 17:29, por: cdb

O presidente Fernando Henrique Cardoso lançou, nesta quinta-feira, em seu discurso na posse do ministro do Desenvolvimento, embaixador Sérgio Amaral, que o novo grito de independência do país é “exportar ou morrer”. Fernando Henrique endossou o discurso de Amaral, que afirmou que o Brasil precisa de um choque de exportação. Para o presidente, o objetivo é ter uma balança de comércio positiva com qualidade.

O presidente da República disse ainda que o Brasil mudou de patamar, sob a ótica dos investidores estrangeiros e instituições internacionais de comércio.

O novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, reconheceu também que a abertura da economia brasileira é relativamente pequena, porque as exportações representam apenas 8% do PIB. Ele enfatizou que a prioridade da gestão do ministério será o Mercosul, salientando que o bloco não tem uma visão meramente comercial, mas sim uma integração ampla e sólida entre os países, que inclue uma cooperação política, como é o caso do comportamento do Brasil em relação à crise da Argentina.

Sérgio Amaral definiu quatro focos de ações para acelerar as exportações: a identificação de mercados prioritários; a seleção de produtos prioritários, de acordo com a oferta; uma ação conjunta da Camex, ministério das Relações Exteriores, Banco do Brasil e outras entidades, em apoio ao exportador; e a priorização pelo BNDES, que projetos que visam ao aumento das exportações.

A posse do ministro foi concorrida. Vários capitães da indústria como o dono do Grupo Votorantim, Antônio Ermírio de Moraes, Jorge Gerdau, do Grupo Gerdau e os presidentes da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), Horácio Lafer Pisa, e da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Carlos Eduardo Moreira Ferreira, estiveram presentes. Os empresários foram receptivos ao discurso de Sérgio Amaral, mas cobraram ações efetivas do governo para, de fato, desonerar as exportações.