Atleta cego desafia trilhas em prova de mountain bike

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de junho de 2004 as 18:49, por: cdb

A história de vida de Adejair Francisco Cordeiro, 36 anos, é digna dos vencedores. Aos 25, ele esteve à beira da morte. Passou 58 dias em coma, vítima de uma meningite e perdeu a visão. Hoje, ele corre, nada, pedala e neste fim de semana (26 e 27/6) vai disputar a sua primeira prova de mountain bike, a terceira edição da Power Biker Reeebok, uma das principais provas do calendário nacional, que acontece na cidade de Passa Quatro, Minas Gerais. Este ano a competição vai contar pontos para o ranking da UCI (União Ciclística Internacional).

Adejair mora em Jundiaí e vai disputar a Power Biker Reebok na categoria especial, destinada a portadores de deficiência física em uma bicicleta adaptada (com dois lugares). Durante a prova, ele terá a companhia do professor de Educação Física César Munir, que será seu guia.

Em outubro de 1993, Adejair foi internado em Jundiaí com uma doença misteriosa, que mais tarde seria diagnosticada como meningite gerada por fungos das fezes de pássaros e adqüirida enquanto ele limpava gaiolas. Entrou em coma e assim permaneceu durante 58 dias. “Fui dado como morto, os médicos afirmavam que estava apenas vegetando”, lembra. Adejair sobreviveu, mas perdeu a visão, e parte dos movimentos. Ficou dois anos em uma cadeira de rodas.

Passado o perído mais difícil, Adejair Cordeiro resolveu dar a volta por cima e começou a praticar esportes através do Peama (Programa de Esportes e Atividades Motoras Adaptadas) da prefeitura de Jundiaí. Primeiro, natação, depois, atletismo, motivado por uma grupo que ia correr a São Silvestre. “Eu nem conseguia andar direito e queria correr. Parecia loucura”, afirma. E correu. Ao todo o atleta já participou de quatro São Silvestres do início até o fim.

Não contente, em 2000, o Adejair começou a praticar o ciclismo. Hoje ele tem uma bicicleta adaptada que usa para pedalar pelas ruas de Jundiaí na companhia do filho Diego (13 anos) e está se preparando para a sua primeira prova, a Power Biker Reebok. Para isso, vem treinando semanalmente. “Meu objetivo no atletismo é manter a forma, melhorar o corpo. Mas no ciclismo eu quero mesmo é competir. Essa doença pode ter me trazido alguns limitações, mas mudei para melhor o meu estilo de vida e a maneira de tratar as pessoas que me amam, como minha mulher Kátia, e meus filhos Diego e Daiane”.

A Power Biker Reebok será disputada no sistema trip trail, ou maratona, em dois dias, com os bikers divididos em três categorias: Ouro, para ciclistas federados e que já possuam títulos em campeonatos; Prata, para não federados, mas que já participaram de competições; e Bronze, voltado a estreantes. Haverá também a disputa da Reebok Down Hill, competição realizada na noite de 26 de junho, no centro da cidade.