Ativistas ecológicos protestam contra destruição da Amazônia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 20 de setembro de 2002 as 20:01, por: cdb

O rio Jaraucu é o principal meio para transporte de madeira ilegal na região. Os manifestantes estenderam uma faixa de 17 metros com a mensagem: “Chega de Destruição” e fecharam o rio de 100 metros de largura com mais de 50 barcos. O Greenpeace, a CPT (Comissão Pastoral da Terra) e outras organizações se uniram ao protesto para apoiar as comunidades na luta pela proteção da sua terra, freqüentemente invadida por madeireiros.

Porto de Moz é uma pequena cidade na foz do Rio Xingu, confluência com o Rio Amazonas, localizada ao norte da região conhecida como Terra do Meio, no Estado do Pará. É o lar de 125 comunidades com 15 mil habitantes que vivem em áreas rurais. A região é conhecida por grilagem de terras e ilegalidades envolvendo companhias madeireiras.

A exploração de madeira em larga escala na região começou em 1990. Hoje, muitas áreas de floresta foram exaustivamente exploradas e, em muitos casos, convertidas em pastos. A Amazônia Brasileira perdeu 15% de sua cobertura florestal nos últimos 30 anos. Cerca de 20% das áreas desmatadas estão totalmente degradadas ou abandonadas.

As comunidades lutam pela criação da Reserva Extrativista Verde Para Sempre para barrar a destruição e promover o uso sustentável dos recursos naturais da região. A área proposta tem 1,3milhão de hectares, aproximadamente o equivalente à metade do território da Bélgica.

(Com informações do Greenpeace)