Ativistas antiglobalização dizem que venceram em Cancún

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 14 de setembro de 2003 as 22:28, por: cdb

Ativistas antiglobalização celebraram o impasse na rodada de negociações no México no domingo, embora eles tenham fracassado em criar o tipo de mobilização verificado no encontro de Seattle, em 1999.

Manifestantes empunhavam cartazes dizendo “Nós vencemos” dentro do centro de convenções de no balneário mexicano, onde representantes de 146 países membros da Organização Mundial do Comércio se reuniram durante os cinco dias que durou a rodada de negociações.

Grupos humanitários já previam que o surgimento nas negociações de um novo grupo de países pobres, porém de decisões firmes, liderados pelo Brasil e outros significaria que os países desenvolvidos teriam que passar a levar os mais pobres mais a sério.

Apesar de lamentar o fracasso das negociações em Cancun, Phil Bloomer, da ONG Oxfam reconheceu nesta rodada um fato decisivo para o comércio internacional.

– As negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC) nunca mais serão as mesmas. No papel, este encontro fracassou, mas o novo poder dos países em desenvolvimento, apoiado por campanhas pelo mundo afora fizeram de Cancun um marco – disse Phil Bloomer, da agência de desenvolvimento Oxfam.

Cancún teve uma história bastante diferente do caótico encontro em Seattle, há quatro anos, quando dias de violentos distúrbios nas ruas puseram os movimentos antiglobalização no mapa. Aquela rodada de negociações acabou sendo lembrada como um impasse coroado pelo rancor do antagonismo entre ricos e pobres.

– O ponto de Seattle foi de evitar que a OMC avançasse. Eu sinto que o que aconteceu aqui terá o mesmo efeito novamente – disse o ambientalista radicado nos Estados Unidos, Dave Meddel.