Assassinos de policiais no Rio têm a cabeça a prêmio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 14 de março de 2007 as 10:23, por: cdb

Em meio à triste rotina de sepultar soldados, 29 policiais militares já foram assassinados em 2007, o Clube dos Soldados e Cabos da Polícia Militar do Rio adotou outra estratégia para chegar aos matadores de PMs. Está oferecendo uma recompensa de R$ 2 mil por informações que levem aos crimonosos e passou a colar cartazes com fotos de suspeitos nos ônibus que circulam pela cidade.

A iniciativa é apoiada pelo comando da corporação, muito embora o comandante geral da PM, Ubiratan Ângelo, considere que independente do oferecimento da recompensa a população vai ajudar a encontrar os assassinos. – Os policiais esperam da sociedade a mesma comoção que tomou conta da cidade no caso João Hélio. A partir deste triste acontecimento muitas informações foram passadas e os policiais rapidamente chegaram aos responsáveis pelo crime – disse o comandante.

Segundo o clube, a campanha, que começou no início desta semana, é paga pelo Disque-Denúncia e exclusiva para assassinos de policiais. Os anúncios vão rodar um mês nos ônibus e os policiais prometem sigilo e garantia de pagamento.

Na manhã desta quarta-feira, o comando da PM confirmou que o terceiro-sargento Hélio Ricardo Porto Valentino, do 9º BPM (Rocha Miranda), lotado na Policlínica de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, foi morto na noite desta terça-feira, ao reagir a assalto, na Pavuna. O policial voltava para casa. Com a morte do sargento, sobe para nove o número de policiais mortos em menos de uma semana no Rio.