Assassinato de Hariri obriga Israel a redobrar vigilância

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 15 de fevereiro de 2005 as 06:49, por: cdb

O atentado de segunda-feira que custou a vida do ex-primeiro-ministro libanês Rafic Hariri obriga Israel a redobrar a vigilância em sua fronteira norte, afirmou um alto dirigente israelense.

– Devemos permanecer vigilantes porque este assassinato pode criar uma instabilidade no Líbano, que pode ser explorada por elementos antiisraelenses. – declarou o alto funcionário da Presidência do Conselho que pediu anonimato.

– Um cenário de escalada da violência na fronteira com o Líbano não está excluído. – destacou a fonte, que lembrou a guerra civil no Líbano em 1975.

Ele apontou o regime sírio como o principal suspeito deste assassinato, “diretamente com seus serviços secretos, que têm uma grande prática neste tipo de operações, ou através de grupos terroristas vinculados de alguma maneira a Damasco”.

O ministro israelense das Relações Exteriores, Sylvan Shalom, acusou a Síria de envolvimento no atentado.

– Não há dúvida alguma de que a Síria, que apóia o Hezbollah (xiita), Hamas, a Jihad Islâmica e outros grupos que se opõem a um processo de democratização no Oriente Médio, não está cômoda com a celebração em breve de eleições no Líbano. O que menos deseja é se ver obrigada a abandonar o Líbano. – afirmou.

Rafic Hariri morreu na segunda-feira em um atentado em Beirute, cometido provavelmente com um carro-bomba, que deixou pelo menos nove mortos e mais de cem feridos.