‘Armas do Iraque foram só uma das razões para guerra’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de maio de 2003 as 01:15, por: cdb

A decisão dos Estados Unidos de ressaltar a ameaça de supostas armas de destruição em massa do Iraque, entre outros pontos, foi tomada por razões “burocráticas” para justificar a guerra, disse o vice-secretário da Defesa norte-americano, Paul Wolfowitz, a uma revista divulgada na quarta-feira.

Visto como um dos principais “falcões” dentro do governo Bush, Wolfowitz disse que a acusação de que o Iraque possuía armas químicas, biológicas e até nucleares era apenas uma entre várias razões para ir à guerra.

– Por razões burocráticas, nós nos detivemos a um ponto, armas de destruição em massa, porque era uma razão com a qual todo mundo poderia concordar – disse Wolfowitz à revista Vanity Fair, na edição de julho.

Nenhuma arma química ou biológica foi encontrada no Iraque, apesar das repetidas afirmações do presidente George W. Bush e do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, antes da invasão no Iraque, em 20 de março.

Nem a Organização das Nações Unidas (ONU) nem aliados dos EUA se convenceram com o argumento usado para justificar a guerra, lançada em meio a protestos em muitas capitais do mundo.

Wolfowitz disse que outra razão para a invasão passou quase despercebido, mas era “enorme” a derrubada de Saddam Hussein permitiria que os EUA retirassem seus soldados da Arábia Saudita, onde a presença deles há muito tempo é motivo de revolta entre a rede Al Qaeda.

– Apenas a retirada dessa carga sobre os sauditas já vai abrir uma porta” para um Oriente Médio mais pacífico – disse Wolfowitz, segundo a revista.

A publicação afirmou que ele fez as declarações dias antes dos atentados suicidas contra alvos ocidentais em Riad e Casablanca, há duas semanas, que mataram 75 pessoas. Os ataques foram atribuídos à Al Qaeda.

Os EUA anunciaram no mês passado que estavam colocando um fim às operações militares na Arábia Saudita, onde causaram indignação na comunidade árabe por causa da proximidade dos norte-americanos aos locais sagrados do Islã.

As declarações de Wolfowitz foram divulgadas um dia depois de o secretário da Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld, ter afirmado que o Iraque pode ter destruído suas armas de destruição em massa antes da invasão.