Ari Fleischer e primeiro-ministro canadense lavam roupa suja

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de maio de 2003 as 20:13, por: cdb

A tensão entre EUA e Canadá se intensificou nesta quarta-feira, alguns dias antes da Cúpula do G8. O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, disse que existem diferenças “filosóficas” entre eles.

Tudo começou com as declarações feitas pelo primeiro-ministro canadense, Jean Chrétien, que terça-feira passada se disse alarmado com o tamanho do déficit fiscal dos Estados Unidos, que poderá chegar a 400 bilhões de dólares este ano, segundo cálculos oficiais.

A reação de Washington não tardou.

– Uma das razões (do déficit) é que Estados Unidos foram atacados em 11 de setembro. O Canadá não foi. Os Estados Unidos ajudaram a liderar uma guerra para levar a liberdade à população do Iraque – assinalou hoje Fleischer.

O porta-voz da Casa Branca mencionou o esfriamento econômico como outro dos fatores que motivaram o déficit. Não citou, no entanto, os cortes fiscais no valor de 350 bilhões de dólares que Bush ratificou hoje e que os especialistas dizem que agravarão ainda mais o rombo fiscal do erário público.

– Não é uma surpresa que haja uma diferença filosófica entre uma pessoa que baixa os impostos, como o presidente Bush, e o primeiro- ministro Chrétien – declarou o porta-voz do Governo americano.

O primeiro-ministro canadense desagradou a Casa Branca porque se negou ceder tropas para a invasão do Iraque. Bush aplica uma política de não reunir-se com os dirigentes que não o apoiaram no caso do Iraque.

Os dois dirigentes adiaram visitas a suas respectivas capitais, mas estarão frente a frente na cúpula do G8 em Evian (França), que começa domingo.

Chrétien disse que o Canadá também sofreu como resultado dos atentados de 11 de setembro de 2001, mas enfatizou hoje em Atenas, onde se reuniu com o primeiro-ministro, Costas Simitis, que é importante limitar os déficits fiscais.

Chrétien assinalou que tinha o direito de falar sobre o déficit dos Estados Unidos, do mesmo modo que seu vizinho do sul se queixa de que o Canadá não investe o bastante em defesa.

– Quantas vezes ouvimos isso? Está bem, não tomo pessoalmente. Eles gostariam que gastássemos mais dinheiro em defesa. Não passa um mês, ou semanas, sem que não ouçamos isso – acrescentou.