ARGENTINA LEMBRA 36º ANIVESÁRIO DE GOLPE DE ESTADO

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 09:37, por: cdb

BUENOS AIRES, 23 MAR (ANSA) – A Argentina lembrará neste sábado o 36º aniversário do golpe de Estado com a tradicional concentração na Plaza de Mayo e em diversas cidades do país.
   
Em 2002, o dia 24 de março foi transformado, por decisão da Congresso, no feriado nacional do Dia da Memória.
   
A ditadura militar no país foi responsável pelo desaparecimento de 30 mil pessoas entre 1976 e 1983, por atos de tortura e pela prisão de milhares de cidadãos. Além disso, cerca de 500 filhos de desaparecidos foram apropriados por pessoas ligadas ao regime, dos quais apenas 105 foram identificados posteriormente.
   
Os crimes foram julgados em primeira instância durante o primeiro governo democrático pós-regime, liderado pelo presidente Raúl Alfonsín, em um processo exemplar para a região, no qual foram condenados os repressores.
   
Apesar disso, em meio a uma tentativa de golpe, Alfonsín decretou a Lei do Ponto Final e mais tarde a de Obediência Devida, que levou à impunidade dos militares.
   
Em 2003, com sua chegada à Presidência, Nestor Kirchner tomou a decisão política de reverter os indultos.
   
Um informe da Procuradoria Geral da República aponta que “até 2008 havia 70 pessoas condenadas, enquanto que no final de 2009 esse número aumentou para 100 e no fim de 2010 já era de 199. Ao longo de 2011 foram realizados 21 julgamentos, nos quais 91 pessoas foram julgadas, oito delas absolvidas e 83 condenadas, das quais 67 pela primeira vez”. (ANSA)