Argentina apresenta à Unesco ação contra heliporto brasileiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de maio de 2003 as 20:24, por: cdb

Argentina apresentará uma reclamação na organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) contra a iminente inauguração de um heliporto do lado brasileiro das Cataratas do Iguaçu, para evitar danos ambientais nessa reserva natural e um dos principais centros turísticos da região, informou nesta quinta-feira uma fonte oficial.

Juan Carlos Chebez, diretor regional do escritório da Administração de Parques Nacionais, explicou que a Argentina pretende que a Unesco declare “em perigo” este “Patrimônio da Humanidade”, que ganhou este título em 1984.

– A demanda para declarar o Parque Nacional Iguaçu em perigo tem que chegar o mais rápido possível, porque o heliporto será inaugurado em julho próximo -, destacou.

Argentina vem reclamando há anos pelo dano ambiental que causa o vôo de helicópteros para turistas de uma empresa brasileira sobre as cataratas, rodeadas de uma selva subtropical que abriga uma rica e variada flora e fauna.

Esses helicópteros brasileiros têm sua pista de decolagem longe das cataratas, mas este novo heliporto fica a poucas centenas de metros da queda d’água.

Os especialistas asseguram que os motores dessas aeronaves causam poluição sonora e perturbam aos animais silvestres, muitos em perigo de extinção e estão protegidos por tratados internacionais.

O vôo dos helicópteros brasileiros também foi motivo de reclamações dos turistas argentinos, que querem desfrutar da exuberante vegetação e a beleza das cataratas sem serem perturbados pelo ruído dessas aeronaves.

Em 1997, os então presidentes Carlos Menem, da Argentina, e Fernando Henrique Cardoso, do Brasil, assinaram um convênio na cidade brasileira de Foz do Iguaçu para evitar maiores danos ambientais ao parque.

– Com a mudança de autoridades no Brasil, foi readotada a idéia de instalar o heliporto dentro do parque na área brasileira, em um lugar em frente à Garganta do Diabo, a maior e mais espetacular das quedas das cataratas -, disse Chebez.

A concessão dos vôos em helicóptero foi outorgada pelo Brasil à empresa Helisul, proprietária de seis aeronaves que operam todos os dias transportando turistas.

– Estamos protegendo definitivamente a mesma natureza, onde as fronteiras são fictícias para a fauna -, concluiu Chebez.