Arafat e Peres mantêm encontro para esta terça-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de setembro de 2001 as 16:57, por: cdb

Israelenses e palestinos parecem estar avançando para firmar um acordo bilateral para estabelecer uma trégua. O acordo estava ameaçado devido à violência ocorrida no final de semana e nesta segunda-feira.

Segundo o ministro espanhol das Relações Exteriores, Josep Pique, o ministro israelense da mesma pasta, Shimon Peres, vai se encontrar com o líder palestino Yasser Arafat na terça-feira, na fronteira entre os dois países. Autoridades israelenses e palestinas não confirmaram o encontro.

Nesta segunda-feira, mais cedo, os israelenses rejeitaram a proposta dos palestinos de realizar o encontro no Egito.

O objetivo da conversa é restaurar o cessar-fogo e abrir caminho para a retomada das conversas sobre a segurança na área.

Os ataques

Israel atacou alvos palestinos na Cisjordânia na manhã desta segunda-feira, matando um policial e ferindo outros três, na cidade de Tamoun, na Cisjordânia Ocupada.

Os ataques foram uma resposta a investidas contra civis israelenses cometidas no fim de semana, entre elas dois atentados suicidas e um tiroteio contra um ônibus.

Ao todo, oito pessoas morreram nos atentados.

Além de Tamoun, mísseis israelenses também foram disparados contra edifícios da Autoridade Nacional Palestina em Ramallah e Jericó, no domingo.

Domingo sangrento

Três israelenses e o suicida palestino morreram e outras 30 ficaram feridas num ataque suicida na estação ferroviária da cidade litorânea de Naharia, no norte de Israel. Poucas horas depois, outra bomba explodiu num entroncamento perto da cidade de Netanya, deixando três pessoas feridas.

Poucas horas antes da explosão das bombas, duas pessoas morreram e três ficaram feridas num atentado contra um ônibus transportando professores para um assentamento judaico na Cisjordânia. Segundo uma testemunha, um carro com placa palestina ultrapassou o ônibus e abriu fogo contra os passageiros, matando o motorista e um professor.

O grupo palestino Jihad Islâmico assumiu a autoria do atentado.

Na Faixa de Gaza, as forças de segurança palestinas disseram que um palestino foi morto por soldados israelenses e outro foi ferido. O grupo Frente Democrática para a Libertação da Palestina disse à agência Reuters que os dois palestinos pretendiam atacar alvos em Israel.

Medidas

A nova onda de violência coincide com uma reunião do gabinete do governo israelense para discutir formas de impedir que militantes palestinos na Cisjordânia entrem em território israelense.

Uma das propostas é a criação de zonas militares de exclusão na Cisjordânia, para tentar impedir a entrada de palestinos em Israel.

O governo israelense diz que os palestinos que vivem e trabalham nas áreas de exclusão receberão passes para poder se movimentar.