Árabes e judeus fazem um carnaval no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de setembro de 2001 as 15:59, por: cdb

Os organizadores da “Marcha pela Paz”, que previam cerca de 300 pessoas, surpreenderam-se quando mais de mil manifestantes percorreram as ruas no Centro do Rio, ao som de uma banda de música que executava marchinhas de carnaval. Não faltaram cartazes que pediam pela paz no mundo, mas outros, do Movimento de Valorização da Cultura, com referências às intervenções armadas dos EUA no Vietnan e as bombas nucleares jogadas em Hiroshima e Nagasaki, no Japão, durante a Segunda Grande Guerra, acabaram-se misturando ao clima de festa que dominou a manifestação.

A manifestação percorreu o Saara, região no Centro do Rio onde se concentram comerciantes árabes e judeus, na esquina das ruas Tomé de Souza com Senhor dos Passos e segundo a polícia militar o número de manifestantes, que no início era de 500, mas chegou a mais de mil pessoas na chegada ao restaurante distribuíram pães árabes e judeus.

Entre os políticos presentes, a vice-governadora, Benedita da Silva, integrou a manifestação pela paz. Benedita afirmou ser contra a invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos e defendeu que a ONU esgote as negociações para que se tenha certeza da responsabilidade de Osama bin Laden nos atentado em Nova York.

Segundo Benedita da Silva, a prisão de bin Laden será suficiente para acabar com o terrorismo. Sobre os cartazes e palavras de ordem contra os EUA, Bendita disse se tratar apenas de uma manifestação democrática.

O ato foi organizado pelo Movimento Viva Rio.

– Queremos mostrar que para os brasileiros essa guerra não faz sentido. E a escolha do Saara tem este caráter – disse Rubem Cesar Fernandes, coordenador do Viva Rio.