Aquecimento global preocupa o Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 30 de janeiro de 2007 as 10:59, por: cdb

O Brasil é a nação mais preocupada do mundo com os efeitos do aquecimento global. Esta é a conclusão de uma pesquisa divulgada nesta terça-feira pela consultoria AC Nielsen. Quatro entre cinco brasileiros (81%) disseram que o assunto é “muito sério”, em um levantamento feito via Internet em 46 países. Quase 25,5 mil pessoas responderam às perguntas.

O Brasil ficou à frente da França, onde 80% dos entrevistados disseram considerar “muito sério” o aquecimento global. Os internautas dos Estados Unidos, o país que responde sozinho por um quarto das emissões de gases que causam o efeito estufa, se mostraram “menos familiarizados e menos preocupados” com o tema. Segundo a pesquisa, 13% do norte-americanos nunca ouviram falar em aquecimento global e apenas 43% disseram achar que se trata de algo “muito sério”.

Latino-americanos

Porta-vozes da Nielsen disseram não se surpreender com o fato de o tema – que recebe atenção maciça da imprensa e do público europeu – ter sido considerado mais grave por latino-americanos.

– A América Latina é particularmente vulnerável a furacões e enchentes. Muitas pessoas dependem de colheitas para exportação, como café e banana, e o comportamento descontrolado do tempo pode dizimar suas cidades ou meio de sobrevivência – avaliou o presidente da AC Nielsen na Europa, Patrick Dodd.

Na América Latina, 75% disseram considerar “muito sério” o aquecimento global, dos 96% que se disseram familiarizados com o problema. A mesma percentagem de europeus disse estar a par do problema, mas apenas 57% atribuíram a ele a mesma gravidade.

Um em cada três latino-americanos declarou que o aumento da temperatura da Terra tem a ver com ações humanas. Muitos opinaram que o aquecimento global resulta de mudanças naturais no clima. Internautas do Brasil e da China – duas das principais economias emergentes do mundo – disseram achar que o aquecimento global resulta da ação humana. O presidente da Nielsen Europa afirmou que a consciência de brasileiros e chineses é “gratificante”.

– Aqueles que acreditam que o aquecimento global é resultado das ações humanas são mais inclinados a fazer mudanças para salvar o meio-ambiente – ele declarou.