Aproximação de Cabral a Lula gera dissidência no PMDB do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 19 de janeiro de 2007 as 12:03, por: cdb

O governador Sérgio Cabral Filho sacramentou, publicamente, seu rompimento com os ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha Matheus. Recusada há menos de um mês por Rosinha, que não autorizou a contrapartida de R$ 12 milhões que deveria ser dada pelo Governo do Estado para obras em favelas da cidade, a ajuda federal foi prontamente aceita pelo novo governador e selou a ruptura com os antecessores que já se desenhava depois que Garotinho e Rosinha referiram-se publicamente às primeiras medidas tomadas por Cabral Filho no governo com termos como “jogo sujo” e “amarga traição”.

Segundo interlocutores, a “falta de reconhecimento” do novo governador ao que foi feito em seus governos é o que mais têm magoado Garotinho e Rosinha. Além de não gostarem do teor crítico das recentes declarações públicas de Cabral Filho, os ex-governadores teriam ficado contrariados com a nomeação de petistas para o primeiro escalão do governo, sobretudo no caso da também ex-governadora Benedita da Silva, desafeto do casal, nomeada para a Secretaria de Ação Social. A gota d’água para o mal-estar dos Garotinho foi o anúncio, feito por Benedita na semana passada, do fim do Cheque-Cidadão, carro-chefe dos programas sociais do governo nos últimos oito anos, que será extinto e integrado ao Bolsa-Família do governo federal.

O Cheque-Cidadão atende a 100 mil pessoas, que recebem do governo estadual R$ 100 por mês para trocar por alimentos ou artigos de higiene pessoal. Com o fim do programa, esse contingente será incluído no Bolsa-Família que, segundo o governo federal, já atende a 450 mil pessoas no Rio de Janeiro:

– Nossa intenção é dobrar esse número, fazendo com que todas as famílias que estejam abaixo da linha de pobreza sejam incluídas no Bolsa-Família. Não é uma mudança apenas de nomenclatura, mas uma mudança de política – disse Benedita.

O governador assina embaixo:

– Não se trata de uma disputa de slogan. O projeto da secretária Benedita da Silva vai permitir um melhor atendimento ao cidadão – disse.

“Jogo sujo” e “amarga traição”

Rosinha, por sua vez, preferiu atacar o sucessor em carta enviada às redações dos principais jornais:

“Não esperava isso do Sérgio Cabral. Começar seu governo tirando logo a comida da mesa dos pobres? Eu e Garotinho sempre pedimos ao Sérgio a manutenção dos projetos sociais. E ele nos dizia que eram intocáveis. Se (o fim do Cheque-Cidadão) vier a acontecer mesmo, será uma amarga traição”, escreveu a ex-governadora.

Dias antes, por conta do bate-boca causado pelos recursos deixados no caixa do governo, Rosinha já havia irritado Cabral Filho ao afirmar à imprensa que o novo secretário estadual de Fazenda, Joaquim Levy, teria “aplicado no mercado financeiro” o dinheiro destinado ao pagamento dos servidores que, segundo ela, chegaria a R$ 634 milhões.

– Como posso aplicar recursos que não existem? – reagiu Levy.

Cabral Filho foi além:

– Infelizmente, recebi um caixa muito menor do que foi anunciado pelo governo anterior. Não chega nem perto dos R$ 600 milhões. É um caso de irresponsabilidade fiscal – disse o governador.

Em outra nota enviada aos jornais, Rosinha reafirmou as acusações ao governo do sucessor:

– Garanto que existe dinheiro para pagar em dia os servidores. O que pretendem é aplicar por alguns dias os recursos no mercado financeiro, prejudicando a vida de milhares de cidadãos. Isso é jogo sujo – disse.

“Não tenho tempo para ti-ti-ti”

Calado até então, Anthony Garotinho decidiu também partir para as críticas a Cabral Filho. No dia 14 de janeiro, quando sua filha Clarissa Matheus tomou posse na presidência da Juventude do PMDB do Rio de Janeiro, ele desfiou um rosário de reclamações e acusou o atual governador de montar um governo “elitista e udenista”, que nomeou de “República do Leblon”, em alusão ao bairro chique da Zona Sul do Rio onde mora Cabral Filho:

– Exi