Após acidente, Aeronáutica suspende operações com caças

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de março de 2003 as 20:54, por: cdb

Um acidente ocorrido nesta sexta-feira, às 11h20, com um dos 17 Mirages F-103 da Base Aérea de Anápolis, levou o Comando da Aeronáutica a suspender todas as operações com os caças até que seja feita completa revisão dos motores de todas as demais aeronaves deste tipo.

A suspensão, que deverá durar pelo menos até quarta-feira, foi determinada pelas autoridades aeronáuticas que temem que o problema possa se repetir com qualquer outro Mirage.

Sendo assim, as missões de interceptação realizadas pelo Primeiro Grupo de Defesa Aérea, de Anápolis, que protege toda a região central do País, inclusive a capital federal, não serão realizadas, no mínimo, por cinco dias, período necessário para a checagem de todos os motores. Neste período, os aviões só terão ordem de decolar em caso de guerra envolvendo o Brasil.

O Mirage, que explodiu ao cair, em decorrência de uma falha no motor, era pilotado pelo tenente-aviador Ricardo Cabral da Silva, que se ejetou, nada sofrendo. Ele foi resgatado pela equipe de Serviço de Busca e Salvamento da Aeronáutica.

O avião, que decolou da Base de Anápolis para uma missão de interceptação de uma aeronave que precisava ter verificada sua procedência, foi acionado pelo Comando de Defesa Aéreo e Controle do Tráfego Aéreo. Logo após a decolagem, uma falha mecânica, no motor, ocasionou a perda de altitude.

Quando verificou que não seria possível controlar o aparelho, o piloto se ejetou e o avião bateu no solo, explodindo. O impacto espalhou destroçou por um raio enorme. De acordo com uma nota oficial distribuída pela Aeronáutica, o avião caiu “próximo à cabeceira da pista, em uma área desabitada, não ocasionando lesões corporais a terceiros”.

A nota esclarece ainda que “o Comando da Aeronáutica deu início às investigações para apurar os fatores que contribuíram para o acidente”. As investigações irão durar 30 dias. O acidente ocorreu no momento em que está sendo retomado o debate sobre o emprego das Forças Armadas no combate ao tráfico de drogas.

A Aeronáutica nega que o acidente possa ter ocorrido por falta de manutenção dos aparelhos, embora reconheça que eles já estão por demais usados e precisam ser trocados. A licitação para substituição dos caças está suspensa desde o início do novo governo, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os US$ 700 milhões que seriam destinados à renovação da frota seriam mais bem empregados no programa de combate à fome.

Este foi o primeiro acidente do dia envolvendo aviões da FAB. O segundo foi no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, com um avião-laboratório HS-800, que faz checagem de equipamento de navegação de vôo. O avião pertence ao Grupo de inspeções da FAB, em São Paulo.

O acidente ocorreu no momento do pouso, quando a roda da frente do avião foi recolhida sem que houvesse comando do piloto. Por causa do acidente, a pista 09 direita de Guarulhos ficou interceptada por mais de duas horas. O avião, no entanto, de acordo com informações da FAB, ao contrário do Mirage, que está perdido, poderá ser completamente recuperado.