Apesar de habeas corpus, Claudio Monteiro fala aos parlamentares

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 28 de junho de 2012 as 08:13, por: cdb

Apesar de ter obtido na Justiça o direito de ficar em silêncio, Cláudio Monteiro, ex-chefe de gabinete do governador do Distrito Federal, afirmou no início da reunião desta quinta-feira (28) da CPI do Cachoeira que contribuirá com as investigações. Ele foi convocado na condição de testemunha para ajudar a esclarecer fatos relacionados ao governador do Distrito Federal (DF), Agnelo Queiroz (PT). A reunião começou por volta das 10h30.

Monteiro obteve habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF), que lhe garante o direito de não falar durante a reunião. Os demais convocados desta quinta-feira, o ex-assessor da Casa Militar Marcello de Oliveira Lopes e o ex-subsecretário de Esportes, João Carlos Feitoza, também conseguiram habeas corpus na Justiça.

A apresentação de habeas corpus por depoentes na CPI mista do Cachoeira voltou a receber críticas de parlamentares, na abertura da reunião. Após a leitura das liminares concedidas pelo STF aos convocados, deputados reivindicaram a mudança no rito da CPI em relação ao silêncio dos depoentes.

Pelo procedimento atual, os depoentes são dispensados imediatamente após se recusarem a falar.

Uma das propostas é de que mesmo evocando o direito constitucional de permanecer em silêncio, os depoentes sejam obrigados a permanecer na sala enquanto deputados e senadores elaborarem questões sobre o caso.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), vice-presidente da comissão, assegurou que será mantido o rito atual na reunião desta quinta-feira.

Mais informações a seguir