Apagão é ameaça a partir de 2009, diz presidente da Eletrobrás

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de fevereiro de 2007 as 17:13, por: cdb

Graças às chuvas intensas que caíram no Brasil nos últimos meses, o risco de repetição da crise de desabastecimento de energia elétrica ocorrida no país em 2001, batizada de “apagão”, foi postergado para daqui a dois anos. O alerta foi dado nesta terça-feira pelo professor de Planejamento Energético da Coordenação de Programas de Pós-Graduação de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luiz Pinguelli Rosa, ex-presidente da Eletrobrás.

Ele garante que o risco de falta de energia é permanente no Brasil.

– Neste ano haveria falta de energia se não chovesse muito. Isso é claro, é físico, não é opinião de economistas que, em geral, erram tudo que falam. Isso é um problema físico – não haveria água suficiente se as chuvas não fossem muito generosas como foram -, explicou.

Segundo Pinguelli Rosa, não há ameaças no curto prazo.

– Os reservatórios se encheram e nós vamos ter aí de um a dois anos de trégua. Mas daqui a dois anos pode haver novamente o risco -, afirmou.

O professor recordou que toda obra de eletricidade demora muito para ser concluída, em geral de três a cinco anos, considerando a aprovação do projeto e o licenciamento, entre outras etapas.

O Brasil, acrescentou, pode voltar a ficar preocupado em relação a um possível desabastecimento de energia a partir de 2009, “se não houver as obras necessárias”.