Antigos abrigos de mísseis nos EUA são transformados em residências

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 20 de setembro de 2003 as 18:44, por: cdb

Com a crescente onda de atentados terroristas e a ameaça de ataques nucleares, antigos abrigos de mísseis nos Estados Unidos estão se transformando em residências de luxo.

Os anúncios são estranhos. Como este:

– Nós pegamos o resultado final dos milhões de dólares que o governo desperdiçou nos anos 60 e o transformamos em algo realmente útil. Venha desfrutar do prazer de uma casa, com aeroporto próprio, por apenas US$ 100 mil.

De que se trata? De bases de mísseis Titan e Atlas – sobras da Guerra Fria – que se estendem por parte do território norte-americano e viraram mina de ouro: com a crescente onda de atentados terroristas elas são oferecidas como residências e escritórios, que custam de US$ 100 mil a mais de US$ 2 milhões.
 
A procura é grande. A razão, muito simples: são os locais mais seguros, em caso de um ataque nuclear – e há indícios de que isso pode acontecer.

– De repente, nos demos conta de que este é um mercado muito forte – disse Edward Peden, próspero corretor de imóveis.

Peden é dono de uma Atlas-E, que fica em uma fazenda em Topeka, no Kansas. Ele já recebeu lance de US$ 1 milhão e meio por ela, no site de leilões eBay, e até uma proposta, já descartada, para transformá-la em museu.

Em seu site, Castelos do Século 20, Peden oferece detalhes de seu precioso bunker, com destaque para a porta elétrica de 47 toneladas e seu banco de baterias de 27 mil quilos. E mostra os banheiros de mármore e o living-room, amplo e bem decorado.

Peden comprou seu primeiro silo em 1983 por US$ 40 mil. Em 1991, o lugar estava pronto para receber sua empresa, uma oficina de ultraleves. Em 1995, ele saiu do comércio de aviões e comprou uma segunda base. Era o começo de um novo negócio: consultoria imobiliária. Desde então, já esteve envolvido na venda de 28 Atlas.

Na opinião de Peden, seu trabalho atual envolve muito mais do que simples implicações econômicas.

– Antes, as bases eram um reduto de guerra. Agora, são um lugar de paz – disse ele.