Anistia Internacional visita Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de setembro de 2002 as 23:58, por: cdb

As próximas eleições presidenciais no Brasil oferecem uma oportunidade única aos candidatos para fazer dos direitos humanos a pedra angular de seus programas políticos e conceber e colocar em prática, medidas necessárias para resolver a crítica situação dos direitos humanos que o país enfrenta.

A partir de hoje a Anistia Internacional começa sua visita ao Brasil. Os delegados viajarão ao Estado do Espírito Santo, onde os defensores dos direitos humanos continuam enfrentando graves perigos num marco de violações de direitos humanos, corrupção e delinqüência organizada.

“Se não há garantias claras a respeito dos direitos humanos, existe o perigo de que a guerra contra o delito, se converta em um cheque em branco para que as forças de segurança continuem aplicando técnicas policiais repressivas que geram violações de direitos humanos em grande escala”, destacou a Anistia Internacional, reconhecendo a necessidade da aplicação de medidas que resolvam a crescente crise de segurança pública.

Nos últimos anos, a Anistia Internacional documentou o uso generalizado e sistemático da tortura para conseguir confissões em investigações penais e como método para controlar, castigar e humilhar os presos no sistema penitenciário do país, saturado até o limite.

A organização destacou que o constante aumento dos índices de criminalidade demonstram que a brutalidade policial não é a resposta; mas, ao contrário, ajuda a aumentar a espiral da violência, abusos contra os direitos humanos e a insegurança que assola a sociedade brasileira.

Quem luta para combater a violência e a impunidade que infestam o país, muitas vezes são chamados de “defensores de bandidos” e, em todo o Brasil, os advogados, jornalistas, ativistas pela propriedade da terra, líderes indígenas ou testemunhas que são suficientemente valentes para testificar apesar das ameaças, sofrem cada vez mais intimidações, perseguições e ataques devido ao seu trabalho a favor dos direitos humanos.

“Todos os candidatos presidenciais devem comprometer-se publicamente a garantir um espaço para o debate sobre os direitos humanos e fazer da proteção desses direitos uma prioridade”, afirmou a Anistia Internacional. “Isto supõe reconhecer a legitimidade do trabalho dos defensores dos direitos humanos, tão desvalorizado no atual clima de temor e desconfiança sobre questões de segurança pública”, completou a organização.