Analistas prevêem forte aumento na venda de celulares

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de novembro de 2006 as 12:31, por: cdb

As vendas mundiais de celulares estão a caminho de outro forte ano de crescimento em 2007, com demanda estimada em 1,1 bilhão de unidades, segundo pesquisa divulgada na quarta-feira.

– Esperamos crescimento um pouco maior que 10% em 2007 – afirmou a analista Carolina Milanesi, do grupo de pesquisas Gartner, depois de divulgar dados de vendas do terceiro trimestre e previsões.

No entanto, o acúmulo de estoques, ocorrido em 2006, pode afetar os embarques do próximo ano. Na China e na Índia, em particular, há um gargalo na distribuição de celulares para lojas de cidades menores, disse ela. A Gartner elevou sua projeção de vendas em 2006 para 986 milhões de celulares, ante estimativa anterior de 960 milhões e 21% maior do que as 817 milhões de unidades vendidas em 2005.

Originalmente, a Gartner e a maior parte dos observadores do setor tinham previsto crescimento de 10% a 15% em 2006, mas esses números se mostraram muito modestos diante da crescente demanda de novos usuários em mercados emergentes, como China, Índia e África. Celulares são de longe o aparelho eletrônico mais popular do mundo, seguidos pelos computadores pessoais e pelos televisores, cada um com vendas anuais em torno de 200 milhões de unidades.

No limite

Porém, o avanço dos celulares está alcançando seu limite em mercados maduros, como o Japão e a Europa Ocidental, onde quase todo adulto carrega um celular e o número oficial de assinaturas de telefones móveis é de mais de 100%, o que significa que muitos adultos possuem mais de um celular.

Na Europa, o número de celulares vendidos a consumidores no terceiro trimestre aumentou apenas 1,9% contra o mesmo período do ano anterior. No Japão, as vendas até recuaram um pouco, acrescentou Milanesi.

– É o que a indústria pode estar enfrentando: volumes estáveis de venda em mercados maduros – afirmou ela.

Isso é uma ameaça às fabricantes de celulares, porque como qualquer outro produto eletrônico de consumo o preço de cada celular cai a cada ano. Sem o crescimento do volume de vendas nos mercados maduros para compensar essa perda, as fabricantes de celulares terão de convencer os consumidores a comprar aparelhos com dispositivos mais avançados. Em geral, no entanto, o preço médio por celular vendido vai continuar a cair, enquanto as operadoras de telefonia móvel continuam a montar redes em países de baixa renda e o número de assinantes de celular se aproxima de 3 bilhões.