Analistas prevêem alta no saldo da balança comercial

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 2 de maio de 2006 as 10:57, por: cdb

Dados do boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central, mostram que os especialistas aumentaram de US$ 40 bilhões para US$ 40,37 bilhões a previsão para o saldo da balança comercial (exportações menos importações) deste ano, e de US$ 35,20 bilhões para US$ 36 bilhões a projeção de superávit (saldo positivo) do comércio internacional no ano que vem. Os analistas de mercado e de instituições financeiras são ouvidos pelo BC todas as sextas-feiras, sobre tendências dos principais indicadores da economia. A pesquisa dá origem ao boletim Focus, que é divulgado sempre no primeiro dia útil da semana seguinte.

De acordo com os economistas da iniciativa privada, os números da balança comercial permitem projetar para este ano um saldo de US$ 9 bilhões na conta corrente, que contabiliza todas as transações comerciais e financeiras com o exterior. Esse saldo deve se reduzir à metade, em 2007, acompanhando a menor projeção para o saldo comercial. A pesquisa também prevê leve melhora nas previsões de entrada de investimento estrangeiro direto (IED) no setor produtivo. A expectativa anterior, de US$ 15 bilhões neste ano, evoluiu para US$ 15,06 bilhões; e o prognóstico para 2007 melhorou de US$ 16,40 bilhões para US$ 16,50 bilhões.

Com exceção das previsões de inflação, em queda constante, os demais indicadores da economia permanecem estáveis. A pesquisa do BC projeta há 52 semanas que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todas as riquezas produzidas no país – será mesmo de 3,50%, apesar de o BC ter revisado sua projeção para 4% e de o ministro da Fazenda, Guido Mantega, falar em 4,50%.

Os analistas de mercado mantêm suas apostas em que a cotação do dólar terminará o ano em R$ 2,20 (R$ 2,35 no final de 2007) e que a taxa básica de juros (Selic), atualmente de 15,75% ao ano, cairá para o patamar de 14% ainda em 2006, e mantiveram previsão de redução para 13% no ano que vem.