Analistas apostam em aumento de 0,50 ponto percentual na taxa Selic

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2011 as 08:05, por: cdb
Taxa de Juros
Os juros são instrumento usado pelo BC para regular a inflação

A taxa básica de juros (Selic) deve aumentar dos atuais 10,75% para 11,25% ao ano, na reunião que o Comitê de Política Monetária (Copom) realizará nos próximos dias 18 e 19 (terça e quarta-feira da semana que vem).

Essa é a expectativa média de uma centena de consultores financeiros da iniciativa privada, que o Banco Central (BC) ouve todas as sextas-feiras para acompanhar as tendências do mercado sobre os principais indicadores da economia.

A pesquisa origina o boletim Focus, que o BC geralmente divulga no primeiro dia útil da semana seguinte. O boletim divulgado nesta segunda-feira refere-se à pesquisa do último dia 7, na qual os analistas mantiveram a estimativa de que a taxa Selic terminará 2011 em torno dos 12,25% ao ano, com possibilidade de retornar aos 10,75% ano ano no final de 2012.

Há 57 semanas o boletim Focus repete a estimativa de que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas e serviços produzidos no país, ficará em 4,50% neste ano, mesmo percentual previsto para 2012. Isso ocorre apesar de terem reduzido a projeção da produção industrial – de 5,30% para 5,03% – na comparação semanal.

De acordo com a pesquisa do BC, o dólar norte-americano deve terminar 2011 cotado a R$ 1,75 e deve aumentar para R$ 1,80 no final de 2012. Com base nesse câmbio, os consultores estimam que a relação dívida/PIB será de 39,65% no final de 2011, e deve cair para 37,80% no próximo ano.

O boletim Focus aumentou a projeção de investimento estrangeiro direto (IED) no setor produtivo. A estimativa de US$ 39,50 bilhões, na semana passada, passou para US$ 40 bilhões, e a expectativa para 2012 aumenta para US$ 42 bilhões.

A expectativa de saldo da balança comercial (exportações menos importações) este ano aumentou de US$ 8 bilhões, na pesquisa anterior, para US$ 8,75 bilhões, com possibilidade de cair para US$ 5 bilhões em 2012. Esse movimento influi diretamente nas projeções para o déficit de conta-corrente externa, estimado em US$ 67,44 bilhões neste ano e em US$ 68,60 bilhões no ano que vem.