Análise do terreno para assentamento em Goianá começa em fevereiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 26 de janeiro de 2012 as 18:47, por: cdb

Aline Furtado
Repórter

Nesta quinta-feira, 26 de janeiro, famílias que estão, há um ano, acampadas na estrada que liga Goianá a Coronel Pacheco, além de representantes de movimentos sindicais, reuniram-se com o superintendente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Carlos Calazans, a fim de debaterem a respeito do processo de assentamento na Fazenda Fortaleza de Santana.

Na ocasião, o representante do Incra afirmou que a análise geológica do terreno onde poderá ser feito o assentamento será iniciada em fevereiro. Em seguida, será realizada a licitação para definir a empresa que dará início ao projeto de assentamento das famílias. A análise deverá considerar o número de lotes que deverão desapropriados, a quantidade de hectares e o número de famílias assentadas atendidas. Aproximadamente, 500 famílias aguardam atendimento.

MST negocia um prazo de 60 dias para desocupar fazenda em GoianáFazenda ocupada por MST em Goianá passará por estudo ambiental e de patrimônioMilitantes do MST estão acampados em fazenda em Goianá

Em dezembro do ano passado, foi publicado, no Diário Oficial da União (DOU), o decreto de desapropriação. O documento prevê o assentamento de aproximadamente cem famílias. A fazenda tem área registrada de 4.683 hectares, o que equivalente a 4,5 mil campos de futebol, ocupando áreas nos municípios de Goianá, Coronel Pacheco, Chácara e São João Nepomuceno.

Apoio

Após o encontro, famílias e representantes de movimentos sociais seguiram para a Prefeitura de Goianá, a fim de solicitarem apoio para o acampamento e cobrar aplicação de políticas voltadas à produção agrícola. Entre noventa e cem famílias estão acampadas à beira da estrada. “Precisamos de meios de desenvolvimento. Com o início da análise geológica, esperamos ter condições dignas para morar e trabalhar”, destaca a coordenadora do Movimento dos Sem Terra (MST) da Zona da Mata, Maria Aparecida Xavier.