Amorim defende maior investimento nos países do Mercosul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de dezembro de 2005 as 22:32, por: cdb

Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim defende que o Brasil deve abrir suas compras governamentais prioritariamente para o Mercosul. Amorim participou nesta quinta-feira da última reunião de 2005 do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

– Não tem sentido nós tratarmos o Mercosul como qualquer outro fornecedor estrangeiro e há muita resistência burocrática nisso, é muito difícil avançar nestas questões – disse.

O ministro reafirmou que a integração da América do Sul é prioridade na política externa brasileira.

– É importante que o Brasil dispute o jogo dentro de sua liga – sintetizou.

Amorim destacou que a América do Sul absorve 17% das exportações brasileiras e 91% das vendas de manufaturados. A recíproca não é verdadeira.

– Precisamos é ter um pouco mais de generosidade, sobretudo com os mais pobres, como Uruguai e Paraguai. O Mercosul ainda não mostrou, na prática, a sua capacidade de ajudar o desenvolvimento dos países menores – enfatizou.

Ele também sugeriu que o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) invista recursos não aplicados no Brasil em outros países do Mercosul – em joint-ventures, por exemplo. O encontro de ontem entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente argentino Nestor Kirchner, em Puerto Iguazu, mereceu destque na fala de Amorim. Segundo ele, a reunião aconteceu em um momento “de grande relevância” para as relações entre Brasil e Argentina, com revitalização da “parceria estratégica” entre os dois países.

Na ocasião foram assinados 24 acordos bilaterais de cooperação em áreas como energia nuclear, controle e monitoramento de meio ambiente por satélite, vistos de trabalho e até trânsito de populações fronteiriças.

– Foi um momento extraordinário que se insere no processo de fortalecimento do Mercosul e de integração da América do Sul – resumiu.