América Latina deve se tornar atraente para investidores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de março de 2004 as 09:44, por: cdb

A América Latina deve tornar-se atraente para entrar em um “concurso de beleza” e obter o olhar de investidores que estão sendo fisgados por China, Índia e alguns países socialistas, afirmou o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

– Existem competidores muito atraentes. A China está levando 40 por cento dos investimentos privados e algo semelhante está acontecendo na Índia e nas economias socialistas – disse Enrique Iglesias em entrevista a uma rede de televisão na noite de quarta-feira.

Nas últimas duas décadas, a China, país socialista, realizou duras reformas, que incluíram abrir suas fronteiras ao capitalismo, e resultaram em uma forte expansão de sua economia.

Por sua parte, a Índia mostrou melhoras significativas após um plano de liberalização iniciado em 1991, que abriu caminho para a entrada de investimentos, especialmente em infra-estrutura.

– Alguém disse que a busca de investimentos é como um concurso de beleza, então (a América Latina) tem que estar em boas condições para atrair os investidores – afirmou Iglesias.

O BID estima que a América Latina crescerá entre 3,8 e 4,0 por cento este ano.

– Estamos crescendo pouco em geral na América Latina. Se vejo países como Coréia e Tailândia, que viram fortes retrações e agora crescem a 7 e 8 por cento, (acho que) temos que recompor a taxa de crescimento e isso não é fácil. É preciso cuidar da macroeconomia e facilitar os investimentos – acrescentou ele.

Iglesias prevê que o Brasil, a maior economia da região, crescerá 3,5 por cento este ano após a contração de 0,2 por cento em 2003.

– O Brasil passou por um período de grandes dúvidas sobre como seria o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e acredito que demonstrou grande seriedade na condução da economia e deu confiança aos mercados.