Alencar elogia escolhas de Dilma para a área econômica e diz que quer ir à posse

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 23 de dezembro de 2010 as 15:10, por: cdb

São Paulo – O vice-presidente da República, José Alencar, elogiou as escolhas da presidenta eleita, Dilma Rousseff, para a área econômica do futuro governo – a manutenção de Guido Mantega como ministro da Fazenda e as indicações de Alexandre Tombini para a presidência do Banco Central e de Míriam Belquior para o Ministério do Planejamento. Segundo a assessoria da Presidência da República, o futuro ministério foi um dos assuntos da visita feita hoje (23) por Dilma Rousseff e pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao vice. Os dois chegaram de helicóptero ao Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, às 10h40 e permaneceram lá por 40 minutos.

Ainda de acordo com a assessoria, Alencar disse que espera liberação dos médicos para estar presente à posse de Dilma Rousseff, no dia 1º de janeiro, e “tomar um golinho”. Dilma retribuiu o carinho e respondeu: “Espero você lá”.

Lula, por sua vez, lamentou a ausência de Alencar na solenidade de sanção da lei que definiu os novos marcos do pré-sal, ocorrida ontem (22), no palácio do Planalto. Durante a visita, Alencar estava acompanhado dos filhos Josué e Graziano, além da equipe médica que está cuidando dele.

José Alencar foi internado ontem (22) com quadro grave de hemorragia no intestino delgado e submetido a uma cirurgia de emergência. O procedimento, no entanto, não foi capaz de conter o sangramento. Mas hoje (23), com o auxílio de medicamentos, foi detectada uma redução significativa da hemorragia, segundo boletim médico divulgado no início da tarde. O vice-presidente permanece acordado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Esse foi o 17º procedimento cirúrgico a que Alencar se submeteu em cerca de 13 anos de luta contra um câncer no intestino.

Edição: Vinicius Doria
 

Leia também:

Estado de saúde de Alencar melhora, diz boletim médico Lula e Dilma visitam Alencar no Sírio-Libanês Alencar permanece sedado, depois de cirurgia que não interrompeu hemorragia