Alckmin esperneia e muda de assunto, mas não esclarece denúncias

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de abril de 2006 as 09:56, por: cdb

Alckmin e os “petistóides”

Incomodado com denúncias sobre favorecimento de seu médico acupunturista e de uma sociedade de que participa seu filho, o tucano Geraldo Alckmin reagiu como os que não têm muito a dizer: afirmou que as denúncias foram feitas por “petistóides”. Ora, não interessa quem faz uma denúncia de corrupção ou mesmo sua motivação, mas sim se ela é ou não verdadeira. Por isso, invés de inventar um neologismo engraçadinho, Alckmin deveria defender-se das acusações.

 

Frase do dia

Hoje ela é de Anthony Garotinho, pré-candidato do PMDB à Presidência:”Lula só aparece menos no Jornal Nacional do que o William Bonner e a Fátima Bernardes”. Claro que o fato de Lula ser, ao mesmo tempo, candidato e presidente ajuda, mas Garotinho não deixa de ter razão. Há mesmo uma super-exposição de Lula.

 

A bobagem do voto nulo

É impressionante que os defensores do voto nulo não se dêem conta de que se as pessoas mais conscientes e mais críticas em relação às bandalheiras dos políticos resolverem votar nulo, vai piorar ainda mais o perfil dos eleitos. A votação dos “mais de 300 picaretas” não vai se abalar muito. Ao contrário, será proporcionalmente maior. Já a dos candidatos éticos é que será atingida. Eles é que receberiam o voto da maioria dos defensores do voto nulo.

 

Lambança da PM

Não se sabe o que é pior: se o desastrado tiroteio desencadeado pela PM fluminense para prender um ladrão em Copacabana, que deixou como resultado dois mortos e cinco feridos, ou a aprovação da conduta dos policiais, expressada pelo comandante do batalhão em que estão lotados. É preciso que se compreenda de uma vez por todas que policiais só podem usar armas de fogo em duas circunstâncias: quando não houver qualquer risco de ferir inocentes ou para proteger sua integridade física.

 

Justiça de