Alckmin acredita que debate sobre juros vai continuar

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de março de 2006 as 14:58, por: cdb

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin prevê a persistência do debate dentro do governo sobre o nível da taxa de juros, o que confere um grau de imprevisibilidade ao rumo da economia sob o comando do novo ministro da Fazenda, Guido Mantega.

– Ouvi mais cedo a entrevista do novo ministro Mantega em que ele diz que a política não é pessoal, é política de governo. Isso é assunto interno lá do governo. O fato é que a questão da política econômica, especialmente a questão da política de juros, tem sido palco de diferenças, de discussão, de debates internos há bastante tempo, mas não tenho como prever o que o novo ministro vai fazer – disse o candidato do PSDB à Presidência a jornalistas nesta terça-feira.

No período em que presidiu o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Mantega cobrou uma política monetária com taxas de juros menores do que as praticadas pela equipe econômica. Alckmin também defendeu a demissão do ex-ministro Antonio Palocci.

– A saída era impossível que não acontecesse. Chegou a tal ponto que tinha que sair. O fato grave é a violação, um princípio do Estado democrático – afirmou.

Para o governador, a violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa tinha como objetivo desqualificar a oposição, ao levantar suspeitas de que o caseiro havia sido comprado para desmentir o ex-ministro Antonio Palocci. As declarações foram feitas em visita do governador a obras do Instituto Doutor Arnaldo, que deverá ser entregue pelo governo do Estado até o final deste ano. A obra ficou paralisada por cerca de 15 anos e deve abrigar três hospitais –da mulher, de oncologia e de transplantes– com 726 leitos.