ALBA, bolsas de estudo universitárias e restituição do direito à educação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de setembro de 2011 as 11:18, por: cdb

Tradução: ADITAL

“É um apoioextraordinário à educação superior”, diz presidente do CNU.

O CNU (Conselho Nacional de Universidades) entregounessa sexta-feira (2/9/11) as primeiras 200 de um total de 5 mil bolsas deestudo universitárias que serão financiadas com fundos da Grã-NacionalAlba-Educação, durante os próximos cinco anos.

As bolsas de estudo terão um valor de 25 dólaresmensais -50 dólares a partir de 2012- e serão entregues a estudantes dasuniversidades públicas que provém de 63 municípios do país e que são deescassos recursos econômicos e alto rendimento acadêmico.

“Para financiar esse programa de bolsas de estudo, ogoverno nicaraguense colocou à disposição 12 milhões de dólares dos fundos Alba(Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América). Para os próximos cincoanos poderemos beneficiar a 5 mil estudantes universitários e outros 5 mil paraestudos técnicos”, disse Telémaco Talavera, presidente do CNU.

Talavera explicou também que se trata “de uma ajudaeconômica adicional para complementar” e que de nenhuma maneira servirá parapagar impostos, “já que esses gastos estão cobertos pelas universidades atravésdos 6% constitucionais”.

O presidente do CNU enfatizou o fato de que a ajudaque a Alba oferece à educação é integral. “Ofereceu uma grande contribuição aoprocesso de erradicação do analfabetismo, à educação fundamental e ao ensinomédio, e agora está oferecendo esse grande apoio a estudantes que poderão sefirmar como profissionais e como cidadãos comprometidos com as transformaçõessocioeconômicas de nosso país”, afirmou Talavera.

Segundo o catedrático, esses avanços devem sercontextualizados em um processo de mudança que houve no país durante os últimoscinco anos. Também tem a ver com o respeito do pagamento de 6% do Orçamentoque, por preceito constitucional, corresponde às universidades que integram oCNU, cuja entrega foi repetidamente violada durante os 16 anos dos governosneoliberais (1990-2006).

De fato, os 6% passaram de ser um tema de conflitoonde houve mortos e feridos para ser um elemento de desenvolvimento ecrescimento para a comunidade universitária e para o país. “Nesses últimosanos, não somente se está cumprindo em tempo e forma com o repasse dos 6%, mastambém há um apoio extraordinário e dos programas da Alba à educação superior”.

Talavera ressaltou como exemplo a recenteimplementação do equipamento tecnológico para as principais universidades, novalor de 12,2 milhões de euros adicionais aos 6%.