Airbus consegue resolver problemas com fiação do A380

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de janeiro de 2007 as 12:38, por: cdb

A Airbus reduziu, nesta sexta-feira, as expectativas sobre uma solução imediata para todos os problemas técnicos que atrasaram o projeto do superjumbo A380 ao divulgar que conseguiu resolver os problemas de fiação apenas da primeira aeronave da família. Uma reportagem de um veículo alemão na semana passada informou que a Airbus tinha resolvido problemas de instalação de fios, que atrasaram as entregas em uma média de 2 anos e levaram a companhia ao vermelho.

Analistas da indústria e alguns investidores chegaram a comemorar a notícia, afirmando que ela encerrava o pior capítulo da história de 30 anos da Airbus. Gerhard Puttfarcken, diretor das operações alemãs da Airbus, informou que a companhia conseguiu completar a instalação da fiação do primeiro A380 que será entregue à Singapore Airlines em outubro e que passou à instalação da cabine.

Mas o trabalho ainda continua para se solucionar os problemas em definitivo. A Airbus espera começar a criar uma plataforma de design única este ano entre suas principais fábricas, na França e Alemanha. Ela estará totalmente operacional a partir da produção da 26ª aeronave.

– Estamos criando as condições para que no futuro exista uma plataforma única em todas as fábricas – disse Puttfarcken em breve entrevista a jornalistas.

A EADS tem unidades de produção Airbus em 16 locais de quatro países, incluindo as sete na Alemanha. Engenheiros descobriram no ano passado que a fiação projetada em Hamburgo não poderia ser instalada nos A380 que estão sendo produzidos na fábrica de Toulouse, na França. A falha reflete em parte a integração incompleta das unidades da fabricante de aviões em quatro países, segundo diagnóstico realizado pelo especialista industrial Christian Streiff, que trabalhou brevemente como presidente-executivo da Airbus no ano passado e lançou o plano de restruturação Power8.

Os atrasos na entrega das encomendas do A380 custaram à controladora da Airbus cerca de 5 bilhões de euros em lucros perdidos nos últimos quatro anos e dispararam uma tempestade política na França e Alemanha, onde a maior parte dos 55 mil funcionários da companhia estão baseados. A Inglaterra e a Espanha também têm fábricas da Airbus.