Agentes e presos fizeram DNA para achar o pai do filho de Gloria Trevi

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 27 de dezembro de 2001 as 19:59, por: cdb

Todos os presos e agentes da Superintendência da Polícia Federal em Brasília foram obrigados a fazer teste de DNA para descobrir quem é o verdadeiro pai do filho da cantora mexicana Gloria Trevi. A informação foi dada pelo advogado da cantora, Geraldo Magela.

Na manhã de hoje, o empresário de Gloria, Sérgio Andrade doou o sangue para o teste. Resta saber se, quando o bebê nascer, Gloria aceitará fazer o exame de DNA na criança. Há cerca de um mês, ela confidenciou à sua amiga, Sílvia Beeg, que não gostaria de envolver o nome do filho “nesta sujeira” e que a identidade do pai da criança é o que menos importa.

Internada desde a tarde de quarta-feira no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), graças a um habeas-corpus concedido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Marco Aurélio, a cantora mexicana passa bem. Os primeiros exames clínicos realizados mostraram que tanto ela quanto o bebê, que está com cerca de 32 semanas, estão em perfeito estado de saúde.

Amanhã pela manhã será divulgado o resultado do exame de hemograma da cantora, mas o diretor-geral do hospital, Martinho Gonçalves da Costa, descartou a possibilidade de anemia. “Ela também não apresenta nenhuma infecção ou qualquer outro problema de saúde visível”.

Glória está sozinha em um quarto, com dois leitos e sob a vigilância de dois agentes da Polícia Federal, que ficam de guarda em frente ao seu quarto, permanentemente de porta aberta. As únicas visitas autorizadas são da amiga, Sílvia Beeg, e dos advogados. Estes podem visitá-la a hora que quiserem, graças a um acordo com a Polícia Federal, pois, como o escritório de ambos fica no Rio, nem sempre é possível ir ao hospital durante o horário de visitas. No caso de Sílvia, o regulamento será cumprido e ela só poderá estar com a cantora entre as 14h e as 16 horas, de segunda a sexta.

Esta é a terceira vez que Glória é examinada pelos médicos do HRAN. Ela também já foi consultada em um hospital particular, onde fez um teste de HIV, que, de acordo com Sílvia, deu negativo. “Ela está abalada, mas feliz por deixar a Papuda. Só está triste porque o Sérgio e a Maria (Maria Raquenel, assistente de palco da cantora) ainda estão lá”, declarou a amiga, que é noiva de Sérgio.

Silvia levou hoje para Glória a televisão cor de rosa, de cinco polegadas, que ela utilizava na Papuda. A cantora aproveitou para escrever uma carta, em português e cheia de erros, agradecendo ao ministro Marco Aurélio e ao Brasil pelo tratamento que vem recebendo.

Na carta, ela agradeceu a Deus pela “bondade e misericórdia” com ela e com filho. E pediu que Ele abençoasse o ministro Marco Aurélio, autor do habeas-corpus. “Ele teve um ato humano e justo para com nós (sic). Mais do que por mim, mas por minha criança, que espera, precisa e merece cuidados, amor e liberdade, como todas as crianças do mundo.” Além do ministro, a cantora também agradeceu ao hospital onde está internada e ao Brasil. “Pela bondade de permitir e dar um pouco de paz ao meu coração e cuidados para meu filho.”