Afeganistão vive à beira da catástrofe

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 17 de outubro de 2001 as 12:14, por: cdb

O membro da organização não-governamental francesa Agência de Ajuda para a Cooperação Técnica e o Desenvolvimento (ACTED), Mohamed Mahir, e o chefe do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR) em Gulbahar, Pierre Ándré Junod, advertiram, nesta quarta-feira, a comunidade internacional para uma iminente ‘catástrofe humanitária’ no Afeganistão.

– Temos um mês para evitar um grande desastre, somente comparável às grandes tragédias da humanidade, como aquelas ocorridas com os judeus na II Grande Guerra, e antes, com os cristão em Roma – disse Mahir ao jornal espanhol ‘El Pais’.

Dentro de um mês as estradas das regiões montanhosas ficarão impraticáveis e não haverá a menor possibilidade de fazer o transporte de alimentos por caminhão.

O CICR calcula que um número superior a meio milhão de pessoas no Afeganistão ficarão à mercê da fome com a chegada do inverno.

O diretor do CICR alertou ainda para a eventualidade de uma migração em massa para a cidade de Herat e a fronteira com o Irã. Segundo Junod a situação é um pouco melhor na região controlada pela Aliança do Norte, onde os camponeses do Vale do Panchir ainda contam com colheitas de milho armazenadas. Mas adverte que a partir de fevereiro ou março a escassez pode se transformar numa nova tragédia.