Afeganistão promete vingança contra vizinhos e aliados norte-americanos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de setembro de 2001 as 14:14, por: cdb

A tensão é cada vez maior ao longo da fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, com os dois países preparando-se para um possível conflito na região, à luz dos ataques terroristas nos Estados Unidos.

A milícia fundamentalista islâmica Talibã, que controla 95 por cento do território afegão, reagiu com fúria à promessa do Paquistão de “cooperar plenamente” com as investigações do governo norte-americano.

Os líderes do Talibã alertaram que vão retaliar se qualquer país vizinho permitir que seu solo ou espaço aéreo seja usado de alguma maneira que prejudique o Afeganistão.

Além disso, o correspondente da CNN Nic Robertson informou que, a curto prazo, todos os estrangeiros seriam forçados a abandonar o país localizado na Ásia Central..

O Talibã depende imensamente do Paquistão para importação de produtos de todos os tipos. Mas a presença, no Afeganistão, do bilionário terrorista saudita Osama bin Laden, suspeito de ter organizado os atentados contra Washington e Nova York, criou um racha entre os dois países.

Nos últimos dias, a Casa Branca exerceu forte pressão sobre o Paquistão para que ajude a combater as organizações terroristas que usam o Afeganistão como base.

O Paquistão é um dos tão somente três países que reconhecem o Talibã como o governo legítimo do Afeganistão.

As lideranças paquistanesas estão reunidas para discutir como o país responderá aos possíveis ataques dos Estados Unidos contra o Afeganistão. Os órgãos de imprensa do país pediram ao presidente, general Pervez Musharraf, que tenha cautela.

Os Estados Unidos fizeram uma lista de pedidos aos paquistaneses, incluindo o fornecimento de informações sobre bin Laden e os talibãs, o fechamento da fronteira com o Afeganistão, o corte no fornecimento de energia ao país vizinho e, se necessário, o acesso de aviões norte-americanos ao espaço aéreo paquistanês.

Enquanto o gabinete do Paquistão iniciava uma reunião, neste sábado, um ex-diplomata do país comentou: “Os talibãs não estão blefando. Eles são capazes de criar problemas se o Paquistão se aliar aos Estados Unidos”.

Pela manhã, o Talibã divulgou um comunicado ameaçando qualquer país vizinho que vier a ajudar os norte-americanos.

“Se algum país vizinho ou da região ajudar os Estados Unidos a nos atacar, isso desencadeará perigos extraordinários… Isso nos levaria a uma guerra em represália”, afirmou Abdul Salam Zaif, embaixador dos talibãs para o Paquistão.

Embora o ministério do Exterior afegão não tenha citado especificamente qualquer país, a ameaça foi vista como um recado direto para os paquistaneses.