Advogado-geral da União espera que Supremo liberte Battisti logo após o recesso do Judiciário

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de janeiro de 2011 as 13:35, por: cdb

>
11/01/2011Advogado-geral da União espera que Supremo liberte Battisti logo após o recesso do Judiciário

Alex Rodrigues
Repórter Agência Brasil

Brasília – O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse hoje (11) que o governo federal espera com tranquilidade a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o caso do guerrilheiro italiano Cesare Battisti, autorizado a permanecer no Brasil pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Para Lula, Battisti pode sofrer perseguição política caso retorne à Itália.

Ao deixar o Ministério da Justiça, em Brasília, onde se reuniu com o ministro José Eduardo Cardozo, Adams reafirmou que a expectativa do governo é que a futura decisão do STF permita que Battisti continue no país e que seja libertado da Penitenciária da Papuda, na capital federal, onde está preso em caráter preventivo desde 2007, apesar de o governo brasileiro reconhecer sua condição de refugiado político.

Com o fim do recesso do Poder Judiciário, em fevereiro, o Supremo voltará a discutir o processo de extradição de Battisti, analisando as petições apresentadas pela defesa do ex-militante, que exige que ele seja solto, e do governo italiano, que exige a extradição. Também será apreciada uma ação popular, na qual o deputado federal Fernando Franscischini (PSDB-PR) pede a suspensão e a anulação da decisão do presidente Lula. O relator do processo é o ministro Gilmar Mendes.

Embora tenha autorizado a extradição de Battisti, o próprio STF, em novembro de 2009, decidiu que a última palavra sobre a entrega ou não do ex-ativista à Justiça italiana caberia ao presidente da República, observados os termos do tratado de extradição celebrado entre os dois países. Ainda assim, na última quinta-feira (6), ao negar pedido para que o guerrilheiro fosse solto, o presidente do tribunal, ministro Cezar Peluso, voltou a afirmar não ver nenhuma razão para supor que, caso extraditado para a Itália, Battisti vá sofrer perseguição ou discriminação.

Ex-integrante do grupo guerrilheiro Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), Battisti é acusado de ter participado, na Itália, de quatro assassinatos (de um joalheiro, um policial, um carcereiro e um militante político) na década de 1970. Embora Battisti negue todas as acusações, em 1988 a Justiça italiana o julgou culpado pelos crimes e o condenou à prisão perpétua. O processo correu à revelia, ou seja, sem que Battisti estivesse presente. Na época, se encontrava refugiado na França.

Edição: Vinicius Doria

Leia também:

Subprocurador-geral diz que negativa da extradição de Battisti está correta no âmbito formal STF recebe ação popular a favor da extradição de Battisti Advogado de Battisti classifica decisão de Peluso como “golpe de Estado” Assessor da Presidência descarta possibilidade de abalo nas relações Brasil-Itália Presidente do STF nega pedido de soltura de Battisti Caso Battisti: divergência pode atrapalhar pretensões brasileiras na ONU, diz especialista Presidente de comissão do Senado se solidariza com italianos pela não extradição de Battisti Para Cardozo, STF dará palavra final sobre soltura de Battisti Polêmica em torno de Battisti vira destaque na página do governo da Itália