Advogado é preso após sugerir que deputado é ‘malandro’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de maio de 2006 as 14:12, por: cdb

O advogado Sergio Wesley da Cunha saiu da CPI do Tráfico de Armas preso por desacato à autoridade. A voz de prisão foi dada pelo presidente da comissão, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), com base em afirmação que Wesley teria feito em resposta a um comentário do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

Ao comentar o fato de o advogado se negar a responder várias vezes, alegando o direito constitucional de permanecer calado, o deputado afirmou que ele havia “aprendido rápido com a malandragem”.

O advogado respondeu que “se aprende rápido aqui”. O parlamentar afirmou que ele havia se referido à Câmara e chamado os deputados de malandros, mas Wesley argumentou que fazia alusão ao Brasil. O advogado disse que “estava reagindo a uma injusta provocação”. Faria de Sá rebateu afirmando que não foi provocação.

– Eu disse que ele é advogado de porta de cadeia e ninguém tem dúvida disso.

Wesley será enquadrado no Artigo 331 do Código Penal – desacato a servidor público no exercício da função. O advogado será detido pela Polícia Legislativa, onde assina um auto de infração e se compromete a voltar ao departamento caso seja necessário. Depois disso ele volta para continuar a acareação.