Advogado diz que pilotos americanos querem depor na PF

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 31 de outubro de 2006 as 19:18, por: cdb

Os pilotos norte-americanos Joe Lepore e Jan Paladino, que comandavam o jato Legacy que bateu no Boeing da Gol, em 29 de setembro, não conseguem prestara depoimento à Polícia Federal. O delegado Renato Sayão, que comanda as investigações sobre o acidente na PF, não conseguiu ouvir, nesta terça-feira, os controladores de vôo que trabalhavam na torre de Brasília no dia da colisão.

O advogadoo Theo Dias, que representa Lepore e Paladino disse que a defesa poderá rever a posição sobre a apreensão dos passaportes.

– Mesmo conscientes da ilegalidade da decisão de apreensão do passaporte, decidimos que o questionamento de tal decisão seria feito somente após os depoimentos dos pilotos perante a Polícia Federal, mas diante da ausência de perspectiva para o desfecho das investigações podemos rever tal postura -, afirmou .

Os controaldores de vôo apresentaram atestados médicos para justificar a ausência. Sayão já havia afirmado que não pretende ouvir os pilotos americanos antes de a Aeronáutica enviar os relatórios das caixas-pretas.

– A Aeronáutica recusou-se a enviar provas à Polícia Federal sem autorização judicial. Por outro lado, o juiz federal já manifestou que aguardará a decisão pelo STJ sobre a sua competência para atuar no caso. Esse impasse pode demorar meses -, afirmou Theo Dias.

– Até agora, estávamos aguardando os depoimentos na Polícia Federal para questionar a ilegalidade da decisão de apreensão dos passaportes, mas diante da decisão do delegado de condicionar a oitiva dos pilotos ao recebimento de outras provas que vêm sendo produzidas pela Aeronáutica, poderemos rever a nossa postura – , disse Dias.

O advogado faz questão de ressaltar que o delegado Sayão tem sido correto e que sua postura à frente do inquérito “faz todo sentido”, mas que a “situação humana envolvida no caso clama urgência”. As informações são da Revista Consultor Jurídico.