Acusado de comprar gasolina para atentado a ônibus é condenado a 309 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de novembro de 2006 as 15:21, por: cdb

Acusado de ter comprado a gasolina usada para queimar o ônibus 350 (Passeio-Irajá), o presidente da Associação de Moradores do Morro da Fé, na Vila da Penha, Zona Norte, Alberto Maia da Silva, foi condenado a 309 anos e cinco meses de prisão. Em novembro de 2005 cinco pessoas morreram, entre elas um bebê de um ano e outras 16 pessoas ficaram feridas.

A setença foi anunciada nesta quarta-feira pelo juíz do 2º Tribunal do Juri, Luiz Noronha Dnatas. Os advogados de defesa podem recorrer da decisão.

Alberto foi considerado culpado por unanimidade pelos sete jurados. A pena corresponde às acusações de cinco homicídios triplamente qualificados e 16 tentativas de assassinato.